Destaques

27 julho 2020

Resenha - Deus com a língua nos dentes

Título: Deus com a língua nos dentes
Autor: Raimundo Vieira
Editora: Paka-Tatu
Onde comprar: Livraria Paka-Tatu


Ler poemas não é algo costumeiro em minha rotina literária, venho mudando isso aos poucos, até mesmo como uma forma de preparação para possíveis aulas sobre o tema, além de ser um alento esse tipo de leitura, que fala tanto sobre tantas coisas, às vezes em poucas palavras. Descobrir "novas poesias" está sendo leve e muito prazeroso. Em um projeto de iniciar essas leituras e conhecer também autores da minha região, do estado do Pará, tive o prazer de realizar a leitura desse livro, de um professor em que já trabalhei no mesmo colégio, e que possui uma produção incrível.

Deus com a língua nos dentes trata sobre diversos temas, entre críticas sociais, homenagens ao filho, e menções ao rock e outros gostos pessoais, porém, o que mais chama atenção são as referências da área de Letras: entre paródias literárias e alfinetadas linguísticas, a obra de Raimundo Vieira é divertida, mas principalmente questionadora de um status quo acadêmico.

Ora, signo linguístico...
Promova o armistício.
Substantive a ação.
Catacrese a vida.
Significante patético.
Verbalize logo o poético.
Raimundo Vieira

A ironia e o sarcasmo sobre diferentes assuntos é o ponto-chave atraente da obra. Não há 'papas na língua', mas também não há críticas descaradas. Há, sim, uma linguagem subversiva e poética, voltada para apontamentos mais do que necessários relativos a diferentes questões sociais, pessoais e profissionais.

No cubículo do elevador.
No quadrado do quarto.
No ônibus retangular.
Na igreja piramidal.
No círculo universal.
O enquadramento circunscrito da liberdade...
Raimundo Vieira

As referências literárias, não somente no fazer poético do próprio autor, mas explicitamente marcados nele, é outra grata surpresa na obra. Encontrar essas referências, por meio da sua escrita, é se deparar com leituras e memórias literárias já lidas, pertencentes à nossa formação (enquanto profissionais de Letras, e enquanto amantes da Literatura.

Ser literárioDesviar da pedra do caminho.
Pular a terceira margem do rio.
Preservar o olhar oblíquo e dissimulado.
Morder a maçã no escuro.
Deixar flores no cemitério dos vivos.
Não calar o Boca do Inferno.
Expelir o concretismo.
Transfusão e mimetismo.
Transição e transformismo.
Literário e libertário.
Raimundo Vieira

No mais, a edição da editora Paka-Tatu está perfeita, a capa transmite um pouco sobre o que se trata o livro, e sou grata por tê-lo em minha estante. É um livro para ser lido sempre que possível, em dias difíceis ou amenos, por meio dessa poesia em que me encontrei tanto.

Comentários via Facebook

10 comentários:

  1. Olá!
    Confesso que se fosse só pelo tema do livro eu com certeza não leria mas, gostei da sua resenha e da sua opinião. Talvez eu leia um dia pois gosto de poemas, mas não vai entrar hoje para a minha lista.
    Beijocas.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Jen,
    Eu não me dou bem com poemas, e complica mais os de tons mais literários. Acho que, talvez, seja muito fria pra absorvê-los haha ou não bate mesmo.

    Acho que só uma professora da faculdade, que conheço, que publicou um livro também. Deixa a gente feliz né. Tudo de bom.

    Desejo sucesso pra ele, e que venham os próximos.

    Ótima resenha.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  3. tbm nao costumo ler mts poemas mas acho que é pura falta de habito pq sempre que pego alguns gosto bastante, curti conhecer esse livro

    www.tofucolorido.com.br
    https://www.instagram.com/liviaalli/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Jeniffer!

    Também não tenho o costume de ler poemas, mais por não ser chegada em leitura do estilo. Gostei de saber do que se trata esse, parece bom em um nível que faz a gente dar uma chance!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Gosto demais dessas obras literárias que são críticas de forma sutil, onde cabe ao leitor entender o contexto e tirar suas próprias conclusões. Poesia não é um gênero dentro da minha zona de conforto, mas também não posso dizer que não gosto.
    Amei a sua resenha!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  6. Oi Jeniffer, tudo bem?

    Eu gosto mais de poesias do que de poemas, pois as acho mais musicais, por assim dizer. Mas fico muito feliz em ver que autores desse gênero estão voltando a ter mais destaque na literatura nacional. Afinal, depois dos tempos áureos de Cecilia, Carlos, Manuel Bandeira e tantos outros poetas e poetisas do Brasil, o gênero acabou se perdendo.

    Que o Raimundo tenha muito sucesso e que venham muitos mais livros por aí!

    Beijos e um ótimo final de semana;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Jeniffer.
    Eu já tentei mas não consigo gostar de ler poesia e poemas. Leio, leio e acabo desistindo porque além de não fluir não consigo sentir nada lendo hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Amei a resenha. Estou acostumada a ler poesias no estilo insta poetry, mas fiquei com vontade de ler esse livro.
    poesia é vida, ainda mais quando é instigante ao leitor
    beijos
    http://www.dearlytay.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Jeniffer, tudo bem?
    Assim como você, não costumo ler poesia com frequência, mas eventualmente gosto de me desafiar e dar uma chance ao estilo. Adorei a dica!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  10. Olá...
    Adorei a resenha!
    Ainda não conhecia esse livro mas fiquei fascinada por ele! Assim como você, também não leio muito poesias, mas, as vezes gosto de arriscar e ler algo. Acho que essa mistura de sarcasmo e ironia funcionou super bem no livro.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Opine, reclame, exclame, comente. Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Siga o blog no Facebook e meu perfil no Instagram.

@blogmeuoutrolado

© Meu Outro Lado – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in