06 maio 2017

Sobre a difícil missão de ser adulta


Quando eu lembro do quanto me identifiquei com Rory Gilmore no revival de Gilmore Girls, meu medo de me tornar exatamente como ela em seus 32 anos ressurge de uma forma assustadora. O fato d'eu me identificar tanto com a Rory, mesmo não tendo uma vida tão privilegiada, já é um fato preocupante. A ideia de ser alguém que acha que merece conquistas e ganhar coisas da vida apenas "porque sim" é totalmente errada, eu sei, mas ao me deparar com a personagem, percebi o quanto já fui como ela. 23 anos, uma graduação indo para o seu fim e nenhum emprego à vista. A possibilidade de cursar outra graduação já apareceu. Ideias sobre o que eu gosto de fazer, como trabalhar, onde entregar currículos e o que fazer da vida para sustentar meus pequenos gastos diários e mensais surgem em todo o momento. Nem estou sendo pressionada para sair de casa e viver as grandes responsabilidades da vida de um adulto assalariado com contas a pagar, porém, a sensação do está chegando a hora vem em todo o momento. Só de imaginar o quão difícil é sair de casa, encontrar um bom lugar para morar, pagar as contas mensais, pensar nos itens do supermercado, cuidar daquele espaço que você chamará de seu e ainda estudar, trabalhar, namorar, sair com os amigos, assistir as novas séries da Netflix, etc, já me cansa. A ideia do fracasso assusta e paralisa. Ter me esforçado tantos anos para chegar a uma determinada base que poderia me proporcionar certa segurança, mas que hoje, depois de tantas mudanças na conjuntura política do país, pode não me oferecer tanta coisa, é frustrante. Claro que culpabilizar o outro não ajuda em nada, mas pensar na política brasileira (pensar em política parece sempre "coisa de adulto", mas é necessário pra todo mundo) atual já é um ato frustante, tanto para o presente, como aluna ainda, como para o futuro, como profissional. Ao mesmo tempo que precisamos correr atrás do que queremos, pensar nessa corrida como um ato vão é deprimente. Sorte (?) que eu não consigo ficar parada e o mínimo que posso arranjar é um "não" como resposta.

A "vida de adulto" pode não ter chegado definitivamente ainda, mas a sua prévia já assusta. 

5 comentários:

  1. Realmente a ideia do fracasso assusta e paralisa.
    Eu tenho apenas 15 anos mas ja penso no meu futuro adulto e ele também me assusta. Já estou um pouco abalada por causa da adolescência e de que você tem que fazer isso e aquilo e estudar estudar e estudar,como se a vida fosse apenas isso, isso me deixa mais perdida ainda. Somos pressionados a vida inteira, as vezes não precisa de ninguém para falar, nossos próprios pensamentos falam por si só ele nos mata aos poucos,isso é tudo tão aterrorizante.

    ResponderExcluir
  2. Menina estou na mesma situação desde que colei grau em fevereiro aos 23 anos eu não sei o que fazer queria muito um lugar para chamar de meu sem atrapalhar minha mãe, currículos e mais currículos não sei porque onde começar ir embora? Não sei se conseguiria viver em um Cidade grande com pique de pegar ônibus até poder comprar carro, também pensei na possibilidade de outra graduação pois meu curso de Biologia é licenciatura minha experiência em estágios foram péssimas, outra graduação é terrível pensar outro TCC é fria kkkkk.
    Mas a gente consegue aos poucos não ficaremos desamparadas.
    Bom fim de semana!!!

    ResponderExcluir
  3. Oie,
    Como me identifiquei com você. Estou nessa sua mesma situação, 23 anos, caminhando para o fim da graduação (penúltimo semestre), sem emprego a vista e totalmente desesperada. Eu também não tenho pressão dos meus pais para sair de casa, mas não ter meu próprio dinheiro e depender de meus pais me angustia. Faço um bico aqui e outro ali dando reforço, mas não é o suficiente. O mercado de trabalho no Brasil está triste, minha procura por estágio está sendo um fracasso, pensar em formar e não conseguir emprego é desesperador. Então acho que compartilho de seus medos e inseguranças. Mas precisamos ter fé não é? E continuar tentando e tentando e tentando mais uma vez. Uma hora dá certo.
    Beeijoo!!

    Grazy
    Meus Antídotos {meusantidotos.blogspot.com.br}

    ResponderExcluir
  4. Oi Jeniffer! Engracado como todos somos tao diferentes e ao mesmo tempo tao iguais! Esse medo de fracassar e algo assombroso mas quando voce realmente aprende a viver as vitorias do dia a dia isso acaba se minimizando. Por favor, nao pense que me ponho acima do bem e do mal, estou tendo uma dessas crises agora mesmo pois me encontro como um recem-nascido apos ter mudado de pais. Mas me agarro na certeza que a vida tem infinitas possibilidades e que no fim, com muita fe, tudo, absolutamente tudo da certo. Espero que voce muito em breve possa estar regozijando esse momento de transicao. Eu, que ja virei fa do seu blog, estarei aqui firme para aplaudi-la. Beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. Nao pensa que ao terminar a faculdade e vc não ter conseguido um emprego seja fracasso, de forma alguma! Fracasso por quê? Pense o quanto vc cresceu e aprendeu na sua faculdade, pense no quanto vc se tornou uma pessoa melhor, no quanto sua cabeça se expandiu para as possibilidades da vida, nos amigos que fez. Eu aposto que, definitivamente, um emprego perto de tudo isso que vc conquistou, no campo pessoal com seus estudos, é apenas um algo a mais e não o "todo". Pense nisso, muito em breve vc estará trabalhando e verá o quão foi importante em sua vida essa fase de estudos. Um grande beijo!!!

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo