10 maio 2017

Lendo Clarice Lispector

Para muitos, Clarice Lispector é um mito da Literatura, suas obras são consideradas incompreensíveis, enigmáticas, secretas e acima do nível de entendimento do leitor ou leitora. Quem soubesse de uma adolescente de 15 anos escolhendo A Paixão Segundo G. H. como o primeiro livro para conhecer Clarice Lispector, poderia exclamar o quanto difícil seria entender a obra que estava em suas mãos, principalmente pela adolescente não conter grandes ou muitas leituras em seu repertório literário na época. Pois bem, a jovem moça gostou e muito da leitura, mesmo sem entender algumas partes, e tem como um dos seus primeiros livros favoritos.

Para começar a ler Clarice ou continuar a ler seus livros, tentar entender sua escrita e seus fluxos de pensamento, é preciso desmitificar o nome da autora e entender que a linguagem dela é diferente de qualquer outra coisa já vista antes por um leitor inexperiente. Clarice traz questões existenciais em sua produção literária, como vida, morte, amor, questões que permeiam a vida de todos, mas sua escrita não é linear, como geralmente outras narrativas que lemos são. Sua narrativa traz um fluxo de consciência que, como nosso pensamento, é confuso, tem idas e vindas no mesmo tema ou segue em outros assuntos diferentes e ela utiliza desse fluxo para retratar as questões humanas integrantes de nossas vidas. Entendo isso, já é um passo para a compreensão das obras da autora. O segundo e principal passo é realmente ler seus livros. Nada substitui a experiência da leitura da obra de um autor que se pretende conhecer.

Eu não sou nenhuma expert em Clarice e iniciei minhas leituras dela com o livro considerado mais difícil, A Paixão Segundo G.H., porém, embarquei na escrita da autora de uma forma que não sei explicar e mesmo sem entender determinadas passagens, insisti em ler mais ainda suas obras. Ao todo, li dois romances (A Paixão Segundo G.H. e A Hora da Estrela - considerado novela por muitos) e quatro livros de contos (Felicidade Clandestina, Água Viva, A Via Crucis do Corpo e A Bela e a Fera), desses, os mais intensos e preferidos por mim são A Paixão Segundo G. H. e Água Viva.
A Paixão Segundo G. H. como livro de estreia das leituras de Clarice que fiz ao longo dos anos é um romance teoricamente simples e banal. A história narra a ida da protagonista ao quarto da ex-empregada quando avista uma barata no guarda-roupa e a esmaga na porta. O fluxo de pensamento surge quando a protagonista permanece no mesmo ambiente que a barata morta e vivencia uma sensação de perda, esta podendo ser metaforizada em diferentes sentidos. A escrita parte para o fluxo de consciência ao tratar de questões existenciais e universais, o que faz com que muitos leitores se identifiquem com o narrado. Foi o meu caso. Recentemente estava lembrando da leitura dessa obra e a vontade de relê-la foi enorme.
A Hora da Estrela é uma novela/romance/narrativa curta que conta a história de Macabéa, nordestina e datilógrafa que vive no Rio de Janeiro, porém, o narrador da obra é Rodrigo S. M., o qual também é o autor da narrativa. Clarice, aos olhos de Rodrigo S. M., narra a história da personagem desafortunada, de forma crua e ao mesmo tempo singela, nos faz refletir sobre os diferentes sentidos da vida.

Felicidade Clandestina é uma compilação de contos, dos mais famosos possivelmente, que todo curioso da autora precisa ler. O mais famoso sem dúvida é o Ovo e a galinha, um conto enigmático para muitos, mas que transborda de questões existenciais como toda a obra da autora. Eu particularmente gosto muito de Perdoando Deus, que trata da questão espiritual do eu-lírico, questiona e faz pensar sobre isso. Mas contos bem fáceis e rápidos para ler são: Felicidade Clandestina, a história da mocinha apaixonada por livros (resume muito a vida de um leitor assíduo), A Legião Estrangeira (um dos meus preferidos também) e Os Desastres de Sofia.

No canal literário Eu li e vou ler, a Thamiris Alves tem um projeto sobre leituras da Clarice Lispector, que podem ajudar a quem estiver tentando conhecer mais a obra da autora: Projeto Conhecendo Clarice.
No canal da editora Rocco também há uma sequência de vídeos sobre a Clarice, com grandes autores brasileiros que vale à pena assistir, a playlist está no meu canal: Clarice.

5 comentários:

  1. Uau!
    Clarice é amor e mais amor. Sou apaixonada.
    Meu primeiro contato com ela foi em A Paixão Segundo G.H. e de início fiquei assustada, não conseguia compreender a sensação, mas depois percebi que aquilo tudo só podia ser resultado de uma escrita sensível e tocante. Lindo.
    Ótimo post! :)
    Besitos

    Giovana Santos

    ResponderExcluir
  2. Estou louca para conhecer a obra da autora é não sabia de muita coisa que você falou e eu ainda sou uma leitora inexperiente então ...
    Mas quero ler A hora da estrela está na minha estante então vou tentar.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  3. Oie Jen =)

    Eu tenho que meio uma relação de amor e ódio com a Clarice Lispector rs... Tem obras dela que gosto bastante e outras que acho um verdadeiro porre rs... Mas no geral gosto da escrita dela.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  4. Preciso confessar que o estilo de narrativa da Clarice não me agrada. Tentei ler um livro dela mas quase caia no sono toda vez. E não é nem pelas histórias, eu gosto do que é contado, mas me incomoda COMO é contado, sabe?

    Beijos
    www.jadeamorim.com.br

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo