17 março 2017

Resenha - Esta Valsa é Minha

Título: Esta Valsa é Minha
Título original: Save Me The Waltz
Autor (a): Zelda Fitzgerald
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: Escrito em um hospital psiquiátrico em apenas seis semanas, Esta valsa é minha é, ao mesmo tempo, um texto autobiográfico, um relato de época e um irrecusável convite para penetrar um universo feminino, alegre e sensível, mas também pleno de desilusões.
Num texto denso, Zelda reordena suas ideias através da personagem Alabama Knight: fala da infância à sombra de um pai austero, dos namoros e da adolescência no sul dos Estados Unidos, no período entreguerras, da vida com um artista na era do jazz, do sonho de se tornar uma bailarina profissional, das viagens à Europa, das festas e do álcool.
Imagens inusitadas e a visão de um vazio cortante pontuam a narrativa de Zelda, uma mulher fascinante que, a exemplo de eu alter ego Alabama Knight, jamais se conformou em ser apenas mulher de Francis. Enquanto ele trabalhava em Suave é a noite — que muitos críticos consideram sua obra-prima —, Zelda preparava sua própria versão da história.
Confesso que não estava muito animada para a leitura desse livro, justamente por desconhecê-lo completamente. Ao identificar o sobrenome da autora logo associei ao seu marido, Scott, porém desconheço a obra dele também e assim embarquei nessa leitura nova e desconhecida.

Essa obra foi escrita em apenas seis semanas durante a estadia de Zelda num hospital psiquiátrico. O enredo não é de grandes ações e reviravoltas, porém é de uma escrita singular e sensível. A história, considerada autobiográfica, relata a trajetória de Alabama, jovem namoradeira e de pensamentos divergentes dos da sua família, que casa com Francis, um artista que a compreende em suas "loucuras" e ideais. O romance não é o foco principal da narrativa e sim a mente de Alabama e suas relações com as pessoas ao seu redor. Ao obcecar-se pela ideia de ser uma bailarina de sucesso, não tão jovem mais, adentra-se em sua tarefa teoricamente impossível aos olhos dos demais.

Em Essa Valsa é Minha adentramos na época dos grandes bailes, dos encontros entre artistas, das conversas poéticas e profundas entre eles e principalmente na mente de Alabama. As cenas do cotidiano do casal e da família da protagonista são comuns, mas carregadas de sentido próprio. A narrativa como autobiografia ou como relato de época não decepciona. A escrita de Zelda impressiona pela técnica e pelo lirismo presente nas páginas da obra. Infelizmente, a autora parece ser um tanto apagada em relação à produção de seu marido, mas esta é uma leitura a ser recomendada a todos que apreciam uma boa narrativa do universo de uma figura feminina importante no cenário artístico e literário.

2 comentários:

  1. Olá, Jenifer! Tudo bem?
    Para ser honesto, não conhecia a obra, assim como, ainda não conheço os livros do Scott, porém tenho muita vontade. Achei muito bacana seu ponto de vista sobre a obra, pois começou sem criar muitas expectativas e aos poucos acabou tento uma boa surpresa. Acredito que se trata de uma obra rica em detalhes, particularmente gosto bastante de livros, filmes e séries que mencionam a época de gala e bailes. Enfim, fiquei curioso para conhecer de forma mais aprofundada.

    Até mais. https://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Fiquei com curiosidade de ler alguma coisa dela porque me falaram tão bem!

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo