05 outubro 2016

Sobre faculdade, notas e o que te define


Muitas pessoas reconhecem a dedicação que eu tenho na faculdade. Minhas notas, no geral, são boas; minha presença é quase sempre certa, meus trabalhos são feitos bem antes dos prazos finais, meus estudos estão entre as minhas prioridades e meu desgaste físico e mental é constante. Chego a ser a chata que quer tudo da melhor forma possível. A que sempre lembra dos trabalhos. A que informa todo mundo sobre o que tem que fazer. A que quase sempre está engajada em algo que está acontecendo por lá, etc.
Faculdade acabou me definindo. Como estudante e como pessoa. Mas eu entrei detestando todas as condições em fazer uma faculdade pública, por toda a falta de estrutura dela, em cursar numa área desvalorizada por muitos, e minha, por seguir todos os dias para o outro lado da cidade, com abatimento físico e mental constante. Mas eu entrei nessa sabendo que era minha única chance de sair de onde estava para um lugar melhor. E encontrei um espaço lá dentro que me acolheu e que me dá prazer em fazer parte. 
Porém, eu tive meus defeitos, sabe? Eu jugava sempre aqueles que tem uma estrutura maravilhosa para os estudos, que não precisam se focar em outras coisas além de sentar na cadeira e estudar. Mas fui julgada também por outros. E nessa troca de críticas, fui descobrindo vivências e histórias que nunca iria saber se não saísse do meu casulo de estudante-dedicada-tentando-ser-perfeita-em-tudo. Faculdade não te define. Teus conceitos não te definem. É apenas uma parte da sua vida, pessoal e profissional. Eu acredito nisso e gosto de saber disso, porque se agarrar apenas no pensamento de que teu desempenho como estudante é primordial na sua vida, é ter muitas frustrações ao longo de uma graduação, de um mestrado ou doutorado. Nossa trajetória pessoal e profissional não é definida apenas por isso, nem nunca vai ser. *thanks God*
Mas para algumas pessoas ela é a única saída para sair do marco zero e é nisso que me agarro. Com todas as forças, de todas as formas possíveis. Eu tenho exemplos de que, pessoas no mesmo estado financeiro que o meu, não tiveram grandes oportunidades, e eu sei que esse destino seria o meu se não me empenhasse ao máximo nesse caminho que escolhi. Não quero nem pretendo mais julgar aqueles que não são como eu em seus "desempenhos acadêmicos". Seria muito estúpido, e mesquinho me definir e criticar os outros por isso. Tenho muitas críticas à universidade, mas ela se tornou uma grande oportunidade pra mim, que, mesmo com todos os privilégios de ter uma família, amigos e parentes maravilhosos, ainda assim, não viu/vê grandes oportunidades fora dela.

P.S: Tá quase acabando.
P.S2: Além de me encontrar no curso que escolhi, encontrei pessoas maravilhosas e mudei pensamentos, mudei personalidade, mudei conceitos pré-concebidos e tá sendo lindo perceber tudo isso em quem eu sou hoje.

Um comentário:

  1. Seus textos/reflexões são muito interessantes, primeiro porque têm um tom de desabafo - e esses são os mais sinceros. Além disso, debatem algo além da superfície. Terminei minha faculdade pública no primeiro semestre do ano passado, e acho que posso dizer o mesmo que você - ela me mudou, me fez pensar, me trouxe coisas que eu nem sabia que queria. Foi difícil? Foi. Mas talvez por isso tenha sido tão especial.

    Beijos

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo