05 abril 2015

Palavras polidas


Queria poder escrever sobre tudo aquilo que me agrada e desagrada da forma mais simples e honesta possível. Infelizmente, não é tão fácil assim como deveria ser. As pessoas mudam, os pensamentos sobre elas ainda mais e numa mesma semana posso odiar ou ser indiferente ao mesmo indivíduo, ele tendo feito algo ou não. O mesmo acontece com os dias da semana. Numa segunda-feira posso estar satisfeita com quase tudo, disposta ao trabalho e aos estudos e muito carismática com os que estão ao meu redor, mas na terça tudo isso pode mudar, às vezes, por pequenos acontecimentos durante o dia. É estressante se você pisa no meu sapato no ônibus lotado ou se me pede ajuda para algo que você mesmo deveria saber. Sim, sou inconstante à esse ponto e não sei esclarecer o verdadeiro motivo. Talvez seja doença, talvez seja a rotina desgastante e muitas vezes estressante que faz qualquer agulha no palheiro ser o estopim de reações raivosas ou antipáticas durante o dia. Só sei que os dias mudam tanto meu humor que algumas vezes nem me reconheço e parando um pouco pra pensar no que estou sentindo ou pensando no momento, volto atrás em certas concepções e tento tirar todos os sentimentos ruins que acabam me rondando através das sensações que sinto por qualquer coisinha ou pessoa. Já ficou instaurado o quando eu posso odiar. Odiar o que você faz, o que você fala, o modo como você age, o que você deixa de fazer ou o que faz errado. Odiar aquilo que as pessoas ouvem, gostam, comem, falam ou assistem. Mas todo mundo tem disso, nem que seja pelo menos um pouco. Eu só não consigo guardar tudo pra mim mesma, como um recipiente que possui um limite de líquido para guardar, me sinto da mesma forma com meus sentimentos, sensações e pensamentos. Acredito que todo mundo sente-se assim também. E se não, que seja. Palavras polidas nem sempre fazem parte do meu vocabulário. 

6 comentários:

  1. Sua escrita sempre me encanta, e dessa vez me prendi a primeira frase. Realmente, as vezes as nossas palavras podem nos trair. E os pensamentos e atitudes? Não quero nem entrar nesse mérito... Tente parar e respirar, refletir sobre o que realmente está sentindo e o por quê disso. Um beijo!

    www.eunomadiando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. As pessoas são simplesmente complexas... ou se preferir complexamente simples.

    Todos são e ainda bem.

    ResponderExcluir
  3. Nem sempre mesmo.
    Concordo com todo o seu texto, me enxerguei em quase tudo ali, hehe.
    Ser inconstante é assim mesmo. Eu abraço esse meu lado e vamos em frente.
    :P

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Jeniffer, tudo bem flor?
    Me identifiquei muito com o que você escreveu. Eu sou meio assim às vezes, mas confesso que não queria ser. Mas para diminuir um pouco minha culpa, acho que todo mundo tem momentos assim, em que a paciência é inexistente e que simplesmente não entendemos o porquê de certas situações.
    "Palavras polidas nem sempre fazem parte do meu vocabulário", e pode ser até libertador liberar alguns cães raivosos que estão aqui dentro.
    bjus,
    Amanda Almeida
    http://amanda-almeida.com.br

    ResponderExcluir
  5. Ah, Jen!

    Normalíssimo seguir o que seu coração diz, suas vontades, seus desejos. Dar essa voz para os sentimentos reflete a fragilidade e a força. Somos todos um pouco assim, alguns mais intensamente, como você! Confissões...

    Beijos, Chefa!

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo