21 janeiro 2015

Sobre desejos mal desejados


Estava pensando em tudo que queria ser aos 20 anos. Queria ser aquela que fez mochilão na Europa e hoje volta com muitas fotos e histórias pra contar. Queria ser a garota rica que tem um quarto lindo e muito bem decorado que pode tirar fotos lindas junto á ele e postar em seu blog. Queria ser aquela que ganhou algum tipo de prêmio por algo que fez. Queria ser aquela que tem uma coleção perfeita de vinis. Ou aquela que viajou pelo país com seu namorado nas ultimas férias. Mas não sou nada disso. Pelo contrário, tive uma vida bem normal e por algum tempo, fiquei sem ter nenhuma importância no cenário social ao meu redor. Eu não era estudante, tanto do colegial nem universitária, não trabalhava, não cuidava de ninguém da família. Eu só lia livros que achava interessantes e postava em meu blog. Eu sentia falta de um grande propósito na minha vida, que no caso, era cursar a universidade. Sentia falta de um amor que me fizesse sentir borboletas no estômago e de certa forma, sentia falta de família e amigos, mesmo tendo alguns por perto. Eu me sentia vazia, de todas as formas possíveis. Aos 20 tudo isso mudou. Os livros que eu li não são mais interessantes. Os posts geniais para o blog não me vem mais à cabeça. Os textos nas redes sociais não me interessam mais. Faço parte do cenário social. Entrei para a universidade, tenho amigos e família por perto, assim como aquele amor das borboletas no estômago e ainda consigo me sentir insatisfeita. Ainda consigo pensar em não querer mais cursar tal curso, em querer novos caminhos, em desejar novos lugares. Provavelmente eu devo ser completamente egocêntrica e ingrata com a vida. O desejo de mudança nem sempre é tão válido como pensava antes. Sim, eu quero mudanças, quero um novo curso, quero novos lugares pra visitar. Mas sim; eu estou cursando algo interessante, exatamente aquilo que eu desejei naquele tempo que me sentia incompleta, tenho exatamente aquilo que desejava há algum tempo e pareço não saber apreciar muito bem tudo isso. Não vou poder ter tudo o que quero ao mesmo tempo. É algo insano para se pensar. Então paro, penso, respiro fundo e mantenho o foco no que há de bom nos dias atuais. Não há nada que me confirme sobre eu não ser aquela que irá fazer mochilão na Europa e voltará com muitas histórias boas pra contar. Quem sabe?! E se esse desejo mudar ao longo do tempo, ninguém poderá me dizer que o próximo sonho será impossível de se realizar. Aos poucos conquistamos o que queremos e principalmente, o que precisamos. É certo que para alguns parece acontecer mais rapidamente que para outros, mas quem se importa?! É melhor parar de cobiçar o jardim alheio e cuidar melhor do seu. Talvez as conquistas atuais não sejam suficientes e definitivamente, não são. Talvez novos desejos sejam traçados num futuro próximo e essa insatisfação nunca se esgote. Mas não dá pra deixar de lado o que já tenho. São coisas minhas, coisas e pessoas que amo, que nunca irei querer menosprezar. 
Então talvez eu esteja desejando muito, demais, exageradamente, dramaticamente; como sempre acontece. Ou talvez não.

16 comentários:

  1. Eu penso muito sobre a vida que eu queria ter aos 20 anos, e hoje, com quase 23... eu começo a pensar em mudanças. Na minha cabeça eu não estaria mais morando em casa, eu moraria numa cidade grande, teria um emprego bacana e estaria vivendo meu primeiro relacionamento longo. As coisas só... sairam do controle, eu acho.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O importante é que você continua desejando. Tanta gente por aí que perde o rumo e o brilho dos olhos porque não deseja nada, fica satisfeito com pouco e com a mediocridade.
    Espero que você consiga o que quer, fique completa e se divirta para que quando chegue aos 30 não esteja assim.
    :)

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Jen!
    Ai, você escreveu para mim, foi isso?
    Eu te entendo COMPLETAMENTE. Juro.
    Eu me sinto bem assim atualmente (exceto pela parte de sentir borboletas no estômago, pois na verdade, eu recebi um soco no estômago.)
    Eu vivi as mesmas coisas antes de iniciar a faculdade e foi bem tenso essa sensação de incompletude, insatisfação e afins.
    Mudanças sempre são complicadas e difíceis, mas sempre farão parte da nossa vida.
    Adorei o post.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  4. A gente quer ser tanta coisa, fazer tantas outras que às vezes nos perdemos no meios das nossas próprias entrelinhas.
    A universidade muda muita coisa na nossa vida. Eu por exemplo. Existe eu antes da faculdade e eu depois, o que vivenciamos ali nos engrandece muito.
    Quanto ao mochilão, na hora certa acontece.

    bjo

    ResponderExcluir
  5. A gente tem essa mania de achar que quando realizamos 1% dos nossos sonhos, devemos parar de sonhar. E isso não existe. Até porque nós somos seres humanos, somos mutáveis e a nossa vida jamais será "completa". E que bom por isso, que bom que a gente não se contenta com o "tá bom assim". Nós devemos ser agradecidos pelo que já temos, claro, mas não precisamos parar no tempo por causa disso. Que bom que você conseguiu cursar o que queria. Ah, agora não quer mais? Agradeça pelo que conseguiu e parta pra outra. Como você disse, ninguém vai dizer que é impossível.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Jen.
    Passei um bom tempo aqui e quando resolvo vim encontro um texto seu tão reflexivo.
    Boa parte da escrita me identifiquei e muito. Mesmo tendo passado dos 20, já possuindo 21 kkk eu me sinto assim também, acho que todos nós.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Jen, você escreveu tão bem que fiquei tipo *o* porque me senti exatamente como você. E esse texto me fez refletir muito. Obrigada por tê-lo postado!

    Um beijo grandããão!!
    Cá do Aquela Princesa

    ResponderExcluir
  8. Ou talvez não. Sabe Jen, já pensei (e ainda penso) muito nisso. No momento que você conquista uma coisa, quer correr atrás de outra. Mas, me diz: E não é assim que a vida é? Você vai querer ser daquelas pessoas acomodadas que conseguem uma estabilidade (mental, amorosa ou financeira) e simplesmente desistem de todo o resto? Viver aquela vida de sempre, sem ter planos nem sonhos? Eu não quero isso não. Concordo que a grama do vizinho pode até parecer mais verde, mas aprendi que não é bem assim. Acho que temos que ser gratos pelo que já conquistamos, mas sempre querer mais. E nem digo coisas materiais não, querer aprender alguma coisa, querer viver melhor, querer realizar o seu sonho ou de alguém. O mundo é tão grande e a vida é tão curta, porque deveríamos parar de sonhar?

    Adorei o seu texto, me identifiquei muuuito!

    Beijão!
    http://www.pitadadecultura.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Jeni,
    Acho que essa situação não é só sua... É de todo mundo (ou da maioria do mundo). Tenho certeza que muitas pessoas irão se identificar com o seu post (assim como eu também me identifiquei), porque o ser humano é um bicho estranho e insatisfeito. Mas isso nem é de todo ruim, sabe? Quando mais tivermos sede de mudança, mais vamos fazer para correr atrás dos nossos objetivos... E aí o nosso mundo continua girando e a vida continua fazendo sentido, por mais sem sentido que o desejo pareça, às vezes...
    Já conheci pessoas "estacionadas" na vida há tempos... E não é legal, não.

    Beijo, adorei seu post! ;)
    http://penny-lane-blog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oie Jen =)

    Sei lá, as vezes a gente quer tanto uma coisa, e quando realmente conseguimos percebemos que elas não eram tudo aquilo que imaginávamos.

    Sentimos aquela sensação de euforia, para depois vir aquele balde de agua fria... desanima mesmo. Mas, mudanças embora complicadas sempre são bem vindas e nos ajudam a amadurecer.

    Beijos e um ótimo final de semana;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary



    ResponderExcluir
  11. Esse texto parece até que foi escrito por mim, de tanto que se encaixa na minha vida.
    Eu também queria muito ser mochileira na Europa, um amor que me fizesse derreter, uma universidade pra aprender e ter esse tal "rumo na vida" que a família tanto cobra da gente.
    Mas assim como tua hora chegou, acredito que a minha também chegará haha
    Faltam 3 anos pra universidade, e pra o novo amor, isso eu não tenho ideia.
    Que bom que você atingiu alguns dos seus objetivos e que vai continuar no caminho pra atingir todos os outros que surgirem!
    Boa sorte com isso, e seja quais forem eles, não largue o blog <3
    Amanda (www.expressodenarnia.com)

    ResponderExcluir
  12. Oi Jen

    Me identifiquei em tantos pontos com teu texto quem em determinados momentos pensei: eu poderia ter escrito isso. Desejar sempre e nunca estar satisfeito é inerente do ser humano, acho que todos somos assim.
    O importante é continuar desejando, sonhando, querendo e correndo atrás.

    Beijos
    mundo-de-papel1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Menina!
    Eu também penso o mesmo - as vezes nunca sei o que eu quero, se o que eu estou fazendo é realmente o que eu quero, sabendo que mesmo assim é algo que desejei há um longo tempo e que eu havia me decidido. Acho que é essa coisa do ser humano de querer sempre mais, e isso não é errado. Acredito e espero que seja normal, ao menos ;)
    menina, compre um e-reader pra chamar de seu e se apaixone, é muito bão! :)
    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
  14. Eu não espero conquistar essas metas em tão pouco tempo, tenho 17 anos e não espero conseguir fazer tudo isso até os 20. Ainda quero fazer Relações Internacionais, talvez ser diplomata, viajar muito. Mas isso não é tudo. Ano passado, encontrei o meu lugar. E olha que já fui como você. Já cheguei a ficar sufocada, porque queria MUITO mudar de escola, de cidade, conhecer gente nova e deixar tudo para trás. Mas o problema não é o local, não são as pessoas, é o nosso coração vazio que sempre quer mais, até achar o que precisava. E eu achei.

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Me identifiquei muito com esse texto, eu sempre pareço insatisfeita, mas depois do susto que levei no final do ano passado, quando pensei que iria morrer, comecei a dar mais valor nas coisas e estou satisfeita com a minha vida, tenho saúde o suficiente pra lutar pelos meus desejos e fazê-los acontecer. É isso que importa... bom. resumindo, o seu post me lembra muito uma coisa: metamorfose ambulante.

    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  16. Oie Jhenny
    amei seu texto. Me vi nele, pois sempre fui alguém que pensa - e muito - no futuro. E eu cheguei aos 30 anos sem ter certeza se fiz escolhas certas durante minha vida. É sempre assim. A gente sempre vai estar insatisfeito, mesmo que tenhamos uma mansão com tudo dentro, uma conta bancária com milhões e o corpo perfeito. Sempre vai faltar algo, mesmo que não saibamos o que exatamente é.
    Bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo