04 julho 2014

Resenha - Se alguma vez...

Nome: Se alguma vez...
Original: Just in case
Autor (a): Meg Rosoff
Editora: Galera Record
Sinopse: Um encontro com a morte transforma a vida de David Case. Convencido de que o destino não lhe reserva nada de bom, David decide se reinventar e tornar-se, assim, irreconhecível para o destino e salvar-se de seu sofrimento certo. Ele passa a ser Justin Case, com uma aparência totalmente nova e uma paixão crescente pela sedutora Agnes Bee. Com seu galgo cinzento imaginário a reboque, Justin luta para manter sua nova imagem e, acima de tudo, sobreviver em um mundo onde as reviravoltas do destino o aguardam em cada esquina.
Se alguma vez... foi uma grata e linda surpresa como leitura. Meg Rosoff soube lidar com a mente de um adolescente dramática e beirando a esquizofrenia de uma forma única e linda ao mesmo tempo.
David Case num dia qualquer com seu irmão, Charlie, acredita que esteve à beira da morte e acredita piamente que o destino lhe reserva algo muito ruim. Assim, o garoto muda de nome para Justin, isso mesmo, de um dia para outro. Troca suas roupas por 'novas' roupas de um brechó e tudo isso para escapar do destino. Porém, todos sabemos que não podemos escapar de nossos destinos, se acreditarmos mesmo nele. Quem faz o nosso destino? Quem é o destino? E o que ele reserva para nós enquanto seres humanos e suas particularidades?! Justin/David não sabe responder nenhuma dessas perguntas e isso é uma das coisas que o mais atormenta em sua vida.
Ainda não sei descrever bem do que realmente esse livro retrata, porém, Justin é um protagonista mais do que diferente; ele é único em suas neuroses, em suas conclusões acerca de determinados acontecimentos e em seus pensamentos. Acredito que não só ele é o protagonista desta obra, mas também o Destino, destino como sendo algo real e que fala conosco, leitores da vida de Justin. O garoto ao conhecer Agnes Bee e a criar um cachorro imaginário fiél e bonito, nos mostra um momento de sua vida totalmente voltado à fugir do Destino e do sofrimento que ele acredita estar preparado para ele. Já Destino por sua vez, nos mostra o quanto isso é patético e o quanto Ele pode comandar nossas vidas enquanto pensamos que somos seres totalmente livres.
Se alguma vez... é um livro denso, mas ao mesmo tempo com uma escrita fácil de entender, porém, com um Justin não tão fácil de entender assim. Seus fluxos de pensamentos são complexos e diferentes de tudo que já li ou ouvi de alguém e o 'mistério' acerca do que o Destino realmente irá fazer com ele, se irá fazer algo, é bastante intrigante.
Meg nos traz uma estória que nos toca do começo ao fim. A autora faz com que um bebê pense de uma forma totalmente surreal e ao mesmo tempo nos convence disto. Traz personagens secundários que acreditam em cachorros imaginários e em Justin Case, o garoto que está fugindo do destino. Sua escrita em uma narrativa em terceira pessoa nos dá um panorama geral do que todos os presentes na narrativa pensam e falam, dando-nos assim, uma estória não só do ponto de vista de Justin ou do Destino, mas de Peter, amigo de Justin, Dorothea e Anna, irmãs de Peter. Agnes, a paixão de Justin. Enfim, é uma narrativa carregada de perspectivas, mas tendo um só foco: Justin.
A leitura pode não ser fácil para todos os leitores que se propõem em ler este livro, porém, acredito eu que valha muito à pena em apreciar uma estória tão diferente e de certa forma, original. Algumas perguntas de Justin podem ser respondidas durante a leitura, mas perguntas podem surgir vindas do próprio leitor e assim, as respostas temos nós mesmos que buscá-las.
Por fim, nesse 'jogo' entre Justin e o Destino, temos uma estória que não foge muito do real, no quesito de reflexões e preocupações acerca de nossas vidas, mesmo tendo nessa mesma estória coelhos que cantam canções macabras e cachorros imaginários. É uma contradição linda e singela, rebuscada e simples ao mesmo tempo. Uma leitura única, sem dúvida.

6 comentários:

  1. Oi :)

    Já li um livro da Meg e não curti, mas esse parece bem diferente e pelo o que você disse eu irei adorar. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da sua resenha!
    Geralmente livros assim não me chamam muito atenção, mas esse por algum motivo chamou. Já quero ler!
    bjs
    adoravelrebeldia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Uau, não tinha ouvido falar desse livro, mas depois de sua resenha, confesso que fiquei extremamente curioso pela leitura. Apesar disso, não sei se seria um livro que leria. Acho que teria que estar na vibe para conseguir realmente entrar e se envolver na história.

    Beijos,
    Lucas
    ondeviveafantasia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. oie Jenny
    tinha lido uma resenha extremamente oposta à sua, e que ressaltava as partes negativas. Juro que eu tinha ficado com bastantes ressalvas, mas pela sua resenha, vejo que não será uma perda total de tempo dar uma chance à história.
    Gostei.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  5. Hey
    Ah, acho que vou criar um cachorro imaginário HAHA

    Confesso que achei a premissa estranha e ao mesmo tempo interessante.
    Às vezes é necessário se reinventar para afundar o passado.

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  6. Que livro instigante. Fiquei muito curiosa. Adoro livros que puxam para o lado psicológico da coisa, apesar de que o ultimo que li foi uma decepção! :(
    Sdds daqui guria,

    Beijos.
    www.jadeamorim.com

    ResponderExcluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo