31 março 2014

TAG: Livros Opostos


A linda da Paulinha do blog Utopia Concreta me indicou para responder essa tag!  Espero que gostem das respostas e se quiserem também respondê-la, fiquem à vontade.

1. Primeiro livro da sua coleção/Último comprado:
Primeiro livro da sua coleção: Não lembro exatamente, mas talvez Memórias Póstumas de Brás Cubas do Machado de Assis ♥ 
Último comprado: Vozes do Deserto de Nélida Piñon, leitura da faculdade.

2. Um que você pagou barato/Um que pagou caro:
Barato: Comprei alguns livros na Feira Pan-Amazônica do Livro daqui por 1 real cada! São livros de ilustrações, um deles é Muito Pano pra Manga de Maria Amália Camargo, um livro de poesia e ilustrações de Moda.
Caro: Talvez essa minha ultima compra: Vozes do Deserto.

3. Com protagonista homem/Protagonista mulher:
Homem: Quando Ela se Foi de Harlan Coben. Amo o Myron.
Mulher: Orgulho e Preconceito de Jane Austen ♥

4. Leu bem rápido/Demorou para ler:
Rápido: Tiveram vários livros li que consegui ler em apenas um dia, o ultimo deles foi Cidades de Papel de John Green.
Demorou: A Menina que Semeava de Lou Aronica. Sem falar dos que comecei a ler e ainda nem terminei D: rs

5. Com capa bonita/Capa feia:
Bonita: A Corte do Ar de Stephen Hunt. Que capa LINDA.
Feia: Não gosto muito de capas com pessoas e existem vários livros da NC com capas assim, mas pra citar apenas um: Esperando por Você de Susane Colasanti.

6. Um livro brasileiro/Um livro internacional:
Brasileiro: Dom Casmurro de Machado de Assis ♥
Internacional: Bom de Briga de Markus Suzak, o segundo livro da trilogia me surpreendeu de uma forma linda.

7. Um livro mais fino/Um mais grosso:
Fino: Muito Pano pra Manga já citado anteriormente. Tem apenas 48 páginas. 
Grosso: O Mundo de Sofia de Joeisten Gaarder com 560 páginas!

8. Um livro de ficção/Um de não ficção:
Ficção: As Crianças Trocadas - Guerra dos Fae de Elle Casey
Não Ficção: Johnny Depp de Danny White. Primeira biografia adquirida do meu ator preferido ♥

9. Um livro meloso/Um livro de ação:
Meloso: Diário de Uma Paixão de Nicholas Sparks (Meloso até demais,rs)
Ação: Todos os livros da série de Myron Bolitar do Harlan Coben! hahahaha'

10. Um livro que te deixou feliz / Um que te deixou triste:
Feliz: A Princesinha de Frances Hodgson Burnett. Eu realmente sou muito influenciável em relação às minhas leituras, então fico feliz quando tenho uma narrativa feliz e até no linguajar dos personagens eu acabo me influenciando. Caso sério!  Esse livro me trouxe uma lição tão grande e satisfatória pra minha vida que fiquei feliz com sua leitura. Não que a estória seja feliz, é eu sei, ficou contraditório.rs
Triste: Veronika Decide Morrer de Paulo Coelho. Eu detestei essa leitura justamente por isso, a terminei com uma sensação tão pesada e inquietante no peito que não sei explicar sobre isso, só sei que o que senti ao ler esse livro não foi agradável.

Espero que tenham gostado de  minhas respostas ou até se identificado com algumas. Mas me digam, quais seriam suas respostas para as perguntas?!
Indico a TAG para a Gabi do Livros e Vagalumes e para a Cássia do Procurei em Sonhos

28 março 2014

Resenha - Olho por Olho

Nome: Olho por Olho
Original: Burn of Burn
Autor(a): Jenny Han, Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Compare preços
Sinopse: Alguma vez você já quis realmente se vingar de alguém que a ofendeu? Talvez uma ex-amiga que a apunhalou pelas costas, ou um namorado traidor, ou um estúpido da escola que a humilhou desde que você era pequena… Alguma vez você já sonhou em envergonhá-lo na frente de todos? E, então, alguma vez você se uniu com outras duas pessoas para criar um elaborado esquema de destruição e revanche? A maior parte de nós não pode dizer que sim a todas essas perguntas (felizmente). Mas, certamente, todos nós somos capazes de nos identificar com muitos dos sentimentos de Kat, Lillia e Mary em Olho por Olho… No entanto, de um exercício de malícia, de uma simples brincadeira adolescente, o jogo do “aqui se faz, aqui se paga” poderá assumir proporções trágicas, em que até mesmo as leis da natureza vão se dispor, misteriosamente, a acalmar os corações ofendidos. Deixe-se levar por uma genuína história sobre o certo e o errado, o justo e o injustificável e procure entender — se possível — os verdadeiros motivos que transformaram estas três meninas. Dramático, honesto e fascinante, este é um livro que ultrapassa todas as expectativas!

Olho por Olho nos promete uma estória de vingança e estava esperando uma vingança sórdida, obscura e cruel, assim como em Revenge (série de TV americana), não pude evitar comparar e assim ter expectativas quanto ao livro. Infelizmente a trama não me pareceu tão sórdida quanto eu esperava, mas ainda assim ela se fez instigante.

Mary, Lillia e Kat são três estudantes do ultimo ano, moradoras da Ilha de Jar. Mary está voltando para sua antiga casa depois de um fato ocorrido que a fez mudar-se da ilha. Lillia está tentando conviver bem com seus amigos de sempre do colégio, a turma dos populares. Kat, estranhamente nesse verão teve contato com Alex, um dos integrantes do grupo de Lillia e agora não sabe que conexão pode ter com esse garoto tão diferente e distante de sua realidade.

Ao decorrer da trama, Lillia acaba tendo motivos para uma certa vingança contra Alex, Kat com Rennie, a melhor amiga de Lillia que a difama desde algum tempo atrás e Mary que tem Reevie como o pivô da sua partida da ilha. Esperava uma estória mais bruta e obscura com os fatores que desencadeiam o sentimento de vingança das meninas, mas o que vemos ao decorrer da narração são alguns casos pequenos, o único que nos convence ser algo sério e digno de uma vingança cruel é o de Mary.

Não estou dizendo que a estória não convence, sim, convence, mas talvez leitoras mais novas; por que a trama em si me pareceu um pouco ‘fraca’ em relação ao que aconteceu com as garotas e as vinganças que elas tramam. Porém, a estória se faz instigante pela narração de Jenny e Siobhan. As escritoras conseguiram prender minha curiosidade a cada nova página lida e me instigou a querer saber o que iria acontecer com as meninas e seus alvos.

Olho por Olho tem um cenário típico juvenil: Escola americana, jogadores de futebol americano, líder de torcida, bullyng contra aqueles que se vestem diferente ou apresentam físico diferente do ‘ideal’, etc. Ou seja, ao percebermos essa característica, já podemos esperar uma estória leve e juvenil.

O que me interessou e muito, foram as personalidades de cada garota: Mary é recatada e misteriosa, a mais interessante por alguns fatos que ocorrem na trama. Lillian é popular e rica, mas tem em si um caráter mais verdadeiro que sua amiga Reenie, Kat é a mais excêntrica de todas, tem uma personalidade forte e estilo de vida completamente diferente das demais. O livro retrata muito bem cada personalidade diferente, as estórias que elas trazem consigo e o porquê de cada uma ser como é hoje. 

O que não me agradou foi o final. Esperava mais dele e esperei mais estória. Porém, soube que tem continuação, o que me satisfez muito. A trama pode ser bem juvenil, mas gostei e muito do interesse que ela me despertou. Então espero a continuação e também espero não decepcionar-me com o que vem por aí. Recomendo a todos que gostam de uma leitura mais leve, porém instigante, cheia de vingança e mistérios.

26 março 2014

Novas Aquisições #003

Hey! Se eu achei que em Fevereiro chegou bastante livro novo por aqui, Março conseguiu superar o mês anterior, por incrível que pareça. haha' Mas vamos aos novos livros na estante *O*
Um dos primeiros livros a chegar nesse mês. Foi cortesia da Geração Editorial e já tem resenha por aqui.
Esses dois livros deveriam ter chegado por aqui em Fevereiro, pois comprei no site da Saraiva em Janeiro, mas, porém, todavia, contudo, a loja não me avisou por e-mail que eles já tinham chegado e daí eu só pude pegá-los quando tive a ideia de ligar para a única loja aqui de Belém. Me irritei profundamente com a Saraiva por esse desleixo, mas fiquei tão tão tão feliz em ter em mão esses dois livros por um preço tão pequeno, que esqueci rapidamente o mal entendido.rs
Esse já foi um livro que ganhei em um sorteio no blog Pepper Lipstick da Bia Rodrigues! Segundo livro que ganho por lá ♥
Mais um livro de troca via Plus do Skoob! Já assisti o filme e na época nem sabia da existência do livro. Quando soube, não pude comprá-lo imediatamente e só agora consegui tê-lo através de outra troca bem-sucedida ♥

23 março 2014

Resenha - O Chamado do Cuco

Nome: O Chamado do Cuco
Original: The Cuckkoo's Calling
Autor(a): Robert Galbraith
Editora: Rocco
Sinopse: Quando uma modelo problemática cai para a morte de uma varanda coberta de neve, presume-se que ela tenha cometido suicídio. No entanto, seu irmão tem suas dúvidas e decide chamar o detetive particular Cormoran Strike para investigar o caso. Strike é um veterano de guerra, ferido física e psicologicamente, e sua vida está em desordem. O caso lhe garante uma sobrevida financeira, mas tem um custo pessoal: quanto mais ele mergulha no mundo complexo da jovem modelo, mais sombrias ficam as coisas e mais perto do perigo ele chega. Um emocionante mistério mergulhado na atmosfera de Londres, das abafadas ruas de Mayfair e bares clandestinos do East End para a agitação do Soho. O chamado do Cuco é um livro maravilhoso. Apresentando Cormoran Strike, este é um romance policial clássico na tradição de P. D. James e Ruth Rendell, e marca o início de uma série única de mistérios.

Conheço a escrita de J. K. Rowling apenas pelo primeiro livro de Harry Potter, pois foi o único que li de sua autoria (Chame on me) e quando lançaram este livro sabendo que J. K tinha escrito e que era realmente diferente do que já conhecemos dela (Harry Potter) me interessei de cara. Mais do que Morte Súbita, que ainda não li. E realmente, a autora me surpreende mais uma vez, de uma maneira boa, claro.

Uma modelo famosa comete suicídio ao se jogar do apartamento de onde morava, num bairro nobre londrino; e após sua morte, milhares de notícias sobre as investigações são feitas e realizadas insistentemente, coletando e expondo quase todos os dados sobre o acontecido; porém, o irmão de Lula Land (Apelidada de Cuco pelos mais íntimos), John Bristow, não está conformado com a conclusão das investigações e acredita que sua irmã não cometeu suicídio. Assim, contrata Cormoran Strike, um antigo amigo de infância do seu irmão falecido, para reaver o caso e assim, quem sabe, descobrir sobre os verdadeiros fatos relacionados à morte de Lula.

Cormoran acaba de romper um noivado e está indo para um dia de trabalho normal em seu escritório de investigações, o qual hoje está sem secretária e provavelmente sem grandes casos novos para serem resolvidos. Robin ficou noiva recentemente e está indo para seu novo emprego (temporário até conseguir um fixo e poder se estabilizar financeiramente), pensando ser mais um daqueles empregos monótonos e desinteressantes. Na verdade, Robin está indo para o escritório de Cormoran, o detetive misterioso que em seu dia conturbado recebe uma inesperada visita com um, mais ainda, inesperado caso para solucionar.

Já li alguns romances policiais de diferentes autores, mas não posso cometer a audácia de compará-los com O Chamado do Cuco. Acreditem, não achei um romance 'de tirar o fôlego', pois não conteve muitas cenas de ação como eu esperava, mas o mistério que se instaura é inexplicável, o suspense em torno da morte de Lula e as descobertas por conta de sua morte e da investigação de Cormoran são realmente o ponto-chave da leitura ser fluida. Além dos personagens cativantes, como Cormoran Strike.

J. K. costuma ser detalhista em suas narrativas e tal fato me incomodaria, talvez em outro autor, pois somente com ela não consigo ter uma leitura 'arrastada' contendo tantos detalhes e descrições minuciosas. Algumas cenas, ao meu ver, foram desnecessárias, mas nada que comprometeu a leitura em si. Os personagens são muito bem descritos e expostos ao longo da trama, sem deixar pistas sobre o que realmente são até o clímax do romance, é claro.

Intercalada com uma narração de suspense e mistério, ainda há cenas com humor em alguns trechos. Robin, a secretária de Cormoran é apaixonada pela ideia de investigar algo importante, pois sempre quis ser uma detetive quando crescesse, por isso empolga-se quando precisa realizar alguma tarefa importante no caso de Lula. Cormoran já contém uma personalidade mais 'fechada' e diferente de sua aparência mal cuidada, seu instinto e sua perspicácia no caso impressiona a quem o pré-julga sobre seu trabalho. Ou seja, temos personagens, além destes é claro, interessantíssimos compondo uma obra mais do que bem escrita. É um romance policial que suga sua curiosidade do começo ao fim. 

Altamente recomendado, O Chamado do Cuco publicado pela Rocco é um romance policial surpreendente e tendo como pano de fundo a cidade de Londres, torna-se uma leitura ainda melhor.

21 março 2014

Resenha - A livraria 24h do Mr. Penumbra

Nome: A livraria 24h do Mr. Penumbra
Original: Mr. Penumbra's – 24 hour Bookstore  
Autor(a): Robin Sloan
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Compare preços
Sinopse: A recessão econômica obriga Clay Jannon, um web-designer desempregado, a aceitar trabalho em uma livraria 24 horas. A livraria do Mr. Penumbra — um homenzinho estranho com cara de gnomo. Tão singular quanto seu proprietário é a livraria onde só um pequeno grupo de clientes aparece. E sempre que aparece é para se enfurnar, junto do proprietário, nos cantos mais obscuros da loja, e apreciar um misterioso conjunto de livros a que Clay Jannon foi proibido de ler. Mas Jannon é curioso…

A Livraria 24h do Mr. Penumbra me surpreendeu de uma forma que ainda não sei definir. Parece ser um livro diferente e realmente é o que ele é. Estranhamente diferente. O que me cativou.

Clay está desempregado após a recessão econômica que seu país vive atualmente e procura um novo emprego em qualquer lugar que possa sustentá-lo. É nessas andanças que conhece a Livraria 24h do Mr. Penumbra, uma livraria comandada por um senhor peculiar que logo o aceita como atendente no período da madrugada. É assim que Clay, o webdesigner, termina como atendente de uma livraria estranhamente freqüentada por pessoas diferentes, com seus códigos e misteriosos livros diferentes.

A trama me foi estranha em seu começo, lemos muito sobre programações, códigos, linguagem de webdesigner em si, diferente do que achamos que vamos encontrar em um livro com uma livraria na trama. Nessa trama há códigos sendo decifrados, uma ‘seita’ há séculos existente, livros antigos e cheios de segredos promissores e ainda, muita tecnologia envolvida.

Esse é o diferencial em A livraria 24h do Mr. Penumbra: livros físicos e tecnologia, códigos e doutrinas antigas e códigos inscritos nos computadores onde só os mais especializados no assunto conseguem decifrá-los. O livro não tem grandes reviravoltas, mas ainda assim torna-se instigante no decorrer da leitura pelos mistérios envolventes com os personagens, com os códigos dos livros, com os códigos no computador e Clay no meio disso tudo tentando decifrá-los.

Aliás, os personagens são os que mais me cativaram. Por ser uma estória sem grandes acontecimentos e grandes mudanças, os personagens também são assim. São mais reais. Clay é um desempregado onde a única coisa que sabe fazer não lhe traz tanta facilidade assim para trabalhar, ele não é o típico personagem que fracassa na vida e torna-se depressivo, mas também não é aquele que após um tempo tem grandes mudanças acontecendo. Mr. Penumbra é um senhor cativante e mais do que interessante. Os demais personagens fazem parte da estória de uma maneira nada artificial também.

A livraria 24h do Mr. Penumbra não é um livro sobre ficção, nem sobre como os livros físicos são mais importantes e devem ser levados a sério mais do que as novas tecnologias existentes atualmente; pelo contrário, nele podemos ver que costumes antigos podem adequar-se aos novos, incluindo a paixão por literatura, por livros, por palavras.

Esse livro pode acarretar uma separação em que o lê: ou você ama ou você odeia. Para quem está esperando um livro surpreendentemente fictício, recheado de exaltação á magia da leitura nos livros físicos, alerto que não será o que irá encontrar aqui. Mas diferente do que podemos pensar, é uma boa leitura, com uma trama densa e linear, mas que instiga o leitor até o fim. Mais do que recomendado por mim, àqueles que amam seus livros, amam o que as novas tecnologias podem nos proporcionar e também aos que amam um mistério, sociedades secretas e segredos à serem revelados.

17 março 2014

Resenha - As Crianças Trocas: Guerra dos Fae

Nome: As Crianças Trocadas - A Guerra dos Fae (Livro 1)
Original: War of The Fae
Autor(a): Elle Casey
Editora: Geração Editorial
Sinopse: Jayne Sparks, rebelde e língua afiada de dezessete anos e seu melhor amigo, tímido e estudioso Tony Green tem uma existência muito típica de escola secundária, até que vários incidentes aparentemente não relacionados convergem, causando uma cascata de eventos que mudam suas vidas para sempre. Jayne e Tony, junto com um grupo de adolescentes em fuga, são sequestrados e enviados para uma floresta, onde nada e ninguém são o que parecem. Quem sairá triunfante? E o que eles serão quando o fizerem?

As Crianças Trocadas chegou de cortesia da Geração Editorial e eu já entendia que me esperava muita fantasia e uma leitura mais leve por se tratar de jovens como personagens do enredo; mas não esperava uma leitura tão divertida e de certa forma diferente dos demais livros juvenis que li, por ter uma protagonista tão corajosa e 'boca suja' como Jayne.

Jayne está na escola e nem sabe o motivo, pois parece não haver nada ali que a interessa e a que faça realmente pensar em um futuro na faculdade, família e emprego estável. Ela não deseja essa vida, mas não sabe realmente o que deseja para si, apenas sabe que não pretende viver a vida que seus outros colegas de turma imaginam ter. Tony é o amigo que Jayne consegue, à muito custo, um pouco de bulliyng e algumas conversas estranhas, ter. Os dois, atualmente, depois de resolverem um mal entendido (Quando Jayne meio que forçou a amizade com Tony 'bulinando' o garoto nerd), são inseparáveis após as aulas e Tony parece entender muito bem sua amiga. 
Após um incidente com um valentão da escola, Tony num ato surpreendente, defende Jayne e os dois decidem fugir dali. Para onde? Nem Tony sabe. Mas os dois acabam em Miami, conhecendo um rapaz estranho no metrô que os convida para ir junto á ele para um abrigo ali perto. Lá, eles conhecem outros jovens que fugiram de suas casas e após um convite para um tipo de teste físico que pagará 500 dólares para os que concluírem, suas vidas mudam completamente. Absurdamente, na verdade. 

Jayne não é uma personagem menor de idade, indefesa, que se apaixona por seu amigo que a defende do valentão e decide fugir com ele para viverem uma estória de amor e perigo juntos. Tire isso da cabeça se você pretende ler este livro. Jayne é confusa em seus pensamentos, fala muito palavrão quando está com raiva ou mesmo quando está feliz e mesmo sem grandes experiências na vida, ela demonstra coragem e força nas horas certas. Além de Jayne, temos Tony, seu melhor amigo nerd que além de conhecer Jayne muito bem, também demonstra coragem quando precisa e muito respeito para com os outros. O grupo de jovens que já moram juntos em Miami são: Jared, Samantha, Becky, Chase, Finn e Spike. Todos parecem ter Jared como seu líder e confiam muito um no outro, como uma família. Os dois novos jovens que adentram esse grupo aos poucos vão fazer parte dessa família também.

O teste físico acaba sendo totalmente diferente do que imaginamos. Não pretendo me estender *mais ainda* na estória em si. Mas na Floresta onde os garotos irão ser testados há muitas criaturas estranhas e surreais. 

A narrativa não é difícil de entender, as descrições das criaturas e do espaço em que acontece a narrativa é simples, mas não deixa de ser fantástica aos olhos do leitor. O divertimento durante a leitura se faz por conta de Jayne, nossa narradora que através de seus pensamentos, suas confusões e suas reações nos faz rir e muito nas cenas descritas.  

As Crianças Trocadas consiste numa trama sobre fantasia, com mistérios que rondam os personagens e que só entendemos ao fim do livro, porém, esse fim ainda contém mais surpresas, instigando o leitor a querer desejar mais da leitura.

Enfim, o trabalho da editora na diagramação do livro está excelente. Não encontrei erros ortográficos e a primeira página de cada capítulo está na cor preta com detalhes remetendo a uma floresta, muito significante na estória. Os capítulos são curtos, outro ponto positivo, pois pareceu que a leitura foi rápida. Recomendo a todos os amantes de fantasia e personagens diferentes. As Crianças Trocadas é uma literatura juvenil que cativa a todo leitor admirador de uma narrativa divertida e bem escrita. Estou mais do que ansiosa para a continuação da série. 

14 março 2014

Resenha - Cidades de Papel

Nome: Cidades de Papel
Original: Paper Towns
Autor(a): John Green
Editora: Intrínseca
Sinopse: Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.
Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.
Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Cidades de Papel me surpreendeu de uma forma maravilhosa. Não esperava muito dele, mesmo tendo ouvido e lido muitos elogios ao livro, não criei grandes expectativas com medo de me decepcionar, mas sabia que gostaria do livro por ser John Green, sei que a escrita do autor me cativaria, mas o medo foi maior. Tive uma grata surpresa quando terminei a leitura em um dia apenas. Devorei sim o livro, mas não se enganem, não o li de forma superficial, pelo contrário, o livro me trouxe uma reflexão importante e esse foi um dos pontos principais que mais agradou.

Quentin e Margo presenciam o que nenhuma criança pensa em presenciar: Numa de suas andanças pelo parquinho perto de suas casas, debaixo de uma árvore, eles encontram nada menos que uma pessoa morta. Olhos abertos e o sangue escorrendo perto de seus pés só contribuem para o pavor aumentar em Quentin, mas Margo caminha para frente, chegando perto do morto com uma curiosidade estranha e até bizarra para uma criança, então seu amigo a puxa para saírem logo dali. Mais tarde, Margo aparece na janela de Quentin dizendo coisas sobre a morte misteriosa do rapaz e desaparece logo depois, na calada da noite. 
A partir de então, Quentin sonha acordado com sua vizinha, agora - após anos terem se passado - Margo é a garota mais popular da escola, mas não da forma como todos vemos em filmes de colegiais, a garota é aventureira e corajosa, enigmática até, sumindo por 3 dias e voltando contando uma de suas aventuras por aí. Quentin nunca imaginou que a teria novamente em sua janela em uma noite qualquer e que a garota após ter lhe proporcionado novas sensações e experiências pudesse ficar ainda mais misteriosa com seu sumiço.

John realmente sabe como escrever bem uma estória jovem. Mas não de uma forma fútil e clichê. Ele diferencia tanto que me impressiono com sua sagacidade em deixar tudo tão interessante e divertido ao mesmo tempo. Cidades de Papel é assim. Quentin é o típico adolescente nerd, que ama uma rotina e seus amigos. Mas não é nada sério e vive de brincadeiras com eles. Amigos esses aliás que são muito divertidos. Um - Radar - tem os pais colecionadores de Papais Noeis negros! É uma família bastante diferente. Outro - Ben- que ama a ideia de ter várias 'gatinhas' por perto e gosta de usar muitas gírias 'vintage' que não são nada apropriadas pra sua idade.
Margo é até um pouco previsível, pelo menos foi pra mim, mas não deixa de ser interessante. Ela faz um papel importante na estória, mas de uma forma indireta. Sua melhor amiga Lacey, meio fútil, nos surpreende ao longo da estória. Outro ponto importante a ser considerado: Os personagens não continuam em um estado de inércia em suas personalidades, eles mudam e nos impressionam por isso.

O cenário é colegial mas o que a estória traz não tem nada de imaturo. Através da busca por Margo, a garota que mudou sua vida numa noite, Quentin se vê obcecado em achá-la através de algumas pistas que ela parece ter deixado somente para ele. Essa busca meio macabra no início se transforma em uma busca por si mesmo. Quentin conhece melhor Margo ao longo de sua busca obsessiva, mas também se conhece melhor: enfrentando seus limites, seus medos, seus anseios. Como no próprio livro está escrito, é o 'se colocar no lugar do outro' que nos faz descobrir a nós mesmos. A poesia de Walt Whitman é um ponto essencial nessa trama para tal reflexão.

Não querendo me estender muito, Cidades de Papel se tornou um dos meus favoritos por todos esses fatores e mais alguns (não contarei mais, pois podem ser considerados spoilers). A escrita de John mais uma vez fluiu consideravelmente rápida, de uma maneira boa e diferente, assim como em todos os livros dele já lidos por mim. O mistério, os romances, as pitadas de humor, tudo nesse livro parece ter se encaixado perfeitamente e com certeza vale à pena a leitura. A edição da Intrínseca está impecável, como sempre. A diagramação não deixa a desejar. 

Recomendo a todos os fãs de John Green e a todos os apaixonados por personagens nerds, vizinhas misteriosas, amigos sem noção, mistérios e pitadas de humor inteligente que só o autor sabe inserir em suas estórias.

10 março 2014

Novas Aquisições #002

Hey! Um dos melhores meses (pra mim) se foi, mas deixou bastante coisa nova por aqui ♥ Fevereiro é o mês do meu aniversário (esqueçam o Carnaval que ás vezes é nesse mês, pelo amor de Deus, odeio isso) e confesso que nem sempre ele é tão bom assim no quesito de presentes, mas sempre amo minha família e amigos lembrando de mim e dizendo o quão a data de mais um ano completo de vida é especial. Porém nesse ano, acredito eu que os presentes foram muitos, de algumas pessoas especiais e a grande maioria deles foram livros! (Por que será?! Hum....) Mas não ganhei só presentes, algumas trocas também foram realizadas e chegaram nesse mês, então vamos às fotos:


Primeiros livros de troca via Plus! Fiquei tão feliz por tudo ter dado certo (tanto no envio, quando no recebimento) e *literalmente* pulei de alegria quando pude finalmente ter esses dois livros da L. J. Smith que tanto queria! Vieram em ótimo estado, muito bem conservados. Resenha de A Prisioneira em breve.


O segundo livro foi Derby Girl. Outra troca via Plus, chegou bem rápido por que a menina que o enviou também era de Belém. Infelizmente veio com um rasgo na parte superior direita da capa *não informado* e tive que colocar um plástico adesivo pra não rasgar ainda mais. O livro é ótimo e em breve tem resenha por aqui.

07 março 2014

A arte de Chris Sanders

É perceptível que os artistas em geral procuram uma identidade em suas obras. Com o ilustrador Chris Sanders não é diferente.  Nascido em uma família de artistas, dês de menino escreve e desenha histórias curtas. Após trabalhar em filmes como Mulan, Aladin e a Bela e a Fera, conseguiu papel importantíssimo em Lilo & Stitch. Hoje ele trabalha na DreamWorks, dirigiu Os Croods e está preparando a continuação, Os Croods 2. 



 Storyboard de Os Croods.



05 março 2014

Resenha - Simplesmente Ana

Nome: Simplesmente Ana
Autor(a): Marina Carvalho
Editora: Novo Conceito
Onde comprar:  Compare preços
Sinopse: Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha… Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.


Simplesmente Ana infelizmente foi uma decepção de leitura. Eu esperava bem mais sobre o livro, um enredo que fosse leve mas agradável. O que se provou contrário. Talvez tenha sido o momento em que o li, não sei ao certo, apenas sei que não me agradou.

Ana é uma garota normal, universitária que vive com sua mãe e que está num relacionamento novo atualmente; quando alguém lhe envia uma mensagem pelo Facebook dizendo que é seu pai e que é rei de Krósvia (!) Logo sua vida muda completamente, porém ela não se volta contra a mãe que não lhe disse nada antes, nem se revela muito contrária à ideia de viajar com seu pai para Krósvia e lhe conhecer melhor. E assim, Ana, como uma nova princesa, vive novas aventuras e conhece um novo ‘mundo’ que pode não lhe agradar no começo, mas que lhe fascina depois de um tempo.

O caso é, o livro promete não ser parecido com O Diário da Princesa, mas não consegue não ser. Até no próprio enredo há passagens em que Ana fala sobre sua estória não ser mais um filme de sessão da tarde, clara alusão ao filme com Anne Hathaway, mas não é assim que vejo Simplesmente Ana. Achei o enredo muito parecido, apenas com o ‘abrasileiramento’ sobre Ana e seus gostos, cidades e nomes dos personagens.

O que me incomodou mais foi a protagonista. Quando ela dizia não ser do tipo de garota que não é fútil e consumista e que amava livros, eu não consegui acreditar. A personagem não me convenceu, na verdade.
O único ponto que achei interessante e que me cativou durante a leitura foi o romance de Ana com Alex, isso por que amo romances até os mais bobos; por que um romance que começa com intrigas é irresistível.


Não posso negar que a escrita não falhou em nada, o enredo em si que não me cativou, mesmo eu gostando de leituras mais infanto-juvenis, Simplesmente Ana não foi uma leitura agradável pela trama não ter me convencido ser diferente de O Diário da Princesa, as semelhanças foram muitas. Espero poder ler outros livros da autora e não ter a mesma opinião sobre eles.

Contudo, essa resenha expõe apenas minha experiência de leitura, pode ser diferente para você, então, leia e tire suas próprias conclusões sobre o livro, pois nem todos os romances clichês são dispensáveis e quem sabe você não se encante com o reino de Krósvia?!

01 março 2014

Playlist: Female Vocal


Mais uma playlist no blog e dessa vez altamente influenciada pelo que estou ouvindo recentemente. Por que recentemente pude ouvir mais músicas da famosa cantora Lorde e simplesmente me encantei com suas letras e sua voz tão única. Com já ouvia outras cantoras indie pop, coloquei mais músicas delas em minha playslit do celular e assim tive a ideia de compartilhar aqui com vocês algumas das cantoras que estou ouvindo atualmente ou as que amo ouvir sempre. Coloquei apenas cantoras solo, por que se fosse colocar as bandas com vocal female seriam muitas músicas para pôr na playlist.rs 

Vocal Female by Jeniffer on Grooveshark

Então, me digam se gostaram, se já ouviram alguma das músicas, se também amam elas, se tiverem dicas de outras cantoras também, comentem ;}
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo