25 junho 2013

Resenha - Um Gato de Rua Chamado Bob


Nome: Um Gato de Rua Chamado Bob;
Nome original: A Street Cat Named Bob;
Autor(a): James Bowen;
Editora: Novo Conceito;
Onde comprarConfira preços;
SinopseQuando James Bowen encontrou um gato ferido, enrolado no corredor de seu alojamento, ele não tinha ideia do quanto sua vida estava prestes a mudar. Bowen vivia nas ruas de Londres, lutando contra a dependência química de heroína, e a última coisa de que ele precisava era de um animal de estimação. No entanto, ele ajudou aquele inteligente gato de rua, a quem batizou de Bob (porque tinha acabado de assistir a Twin Peaks).
Depois de cuidar do gatinho e trazer-lhe a saúde de volta, James Bowen mandou-o embora imaginando que nunca mais o veria. Mas Bob tinha outras ideias. Logo os dois tornaram-se inseparáveis, e suas aventuras divertidas — e, algumas vezes, perigosas — iriam transformar suas vidas e curar, lentamente, as cicatrizes que cada um dos dois trazia de seus passados conturbados.
Um Gato de Rua Chamado Bob é uma história comovente e edificante que toca o coração de quem a lê.

Uma coisa que posso começar dizendo com toda a certeza sobre Um Gato de Rua Chamado Bob: quem gosta de animais – principalmente dos queridíssimos bichanos gatinhos – está suscetível às lágrimas logo nas vinte primeiras páginas.

Ou será que só eu sou um manteiga derretida com gatinhos?

Não sei se a Jeniffer Yara sabia disso quando anunciou que iria me dar o livro para ler e resenha-lo. Acho que ela percebeu essa minha paixão por gatinhos (e, sim, necessariamente com o diminutivo “inhos” para deixar ainda mais claro o quão sou louco por eles) assim que me contou, numa segunda ou terça-feira, que havia solicitado de cortesia o livro de James Bowen da Novo Conceito. Provavelmente ela deve ter percebido meus olhos brilhando, apaixonados, enquanto se passava em minha mente um gatinho cor de laranja lindo que havia visto uma vez numa reportagem do Jornal Nacional. Aliás, não provavelmente – com certeza ela percebeu, já que, alguns minutos depois, se virou para mim e perguntou casualmente:

- Você quer o livro pra ler e resenhar, Breno? Eu não vou ter tempo de lê-lo mesmo...

Preciso dizer que quase a matei sufocada num abraço de urso depois disso?

Uma semana depois, eu vim descobrir a história de Bob. Ou melhor – a história de James Bowen: um homem que, desgostoso com a vida, achou um laranjinha escondido, mal cuidado e abandonado, num canto escuro do andar térreo do prédio onde morava. Ao aproximar-se deste gatinho e perceber a personalidade e coragem que havia em seus olhos – coisas que seriam a catapulta e lenha para as diversas vitórias que ambos conseguiriam num fiel futuro que construiriam juntos –, James mal poderia imaginar que, muito logo, aquele pequeno felino acabaria seguindo (literalmente) seus passos – e fazendo mais que isso: dando-lhe forças para ultrapassar as barreiras, iniciar as batalhas e fazê-lo reviver o fôlego pela vida o qual há muito havia perdido. Se é que, um dia, este londrino já o houvesse vivido.

 O que eu vou dizer é bem clichê de resenhas, mas não há como não usar aqui: eu não conseguiria descrever nunca o quanto que Um Gato de Rua Chamado Bob me apaixonou. Gosto muito, muito de livros sinceros e verdadeiros, e este é um deles. É um livro que fala sobre o modo com que um gato e um humano ganham gradativamente lealdade e constroem a amizade que os levaria a conquistas muito mais importantes do que qualquer um de nós poderia imaginar – para ser claro, um (só um dos inúmeros) exemplo: a recuperação química do vício de James Bowen em drogas.

Apesar de ser forte em vários ângulos, como nas ferrenhas críticas que sutilmente lhe compõem – críticas contra os maus tratos contra animais; contra os preconceitos contra usuários de drogas; contra os preconceitos contra artistas e trabalhadores de rua (“invisível”, é como Bowen se diz ser quando, só, tenta ganhar sua vida nas calçadas) –, é um livro muito tranquilo. Que relaxa com o passar das páginas. É apaixonante a forma calma e sensata com que a narração nos embala para os diversos e lineares pontos da história de Bowen – história a qual, muito mais de uma vez, me fez lagrimar e chorar. As memórias deste homem, repletas de maus bocados e dores de uma criança maltratada e humilhada que foi, são contadas com honestidade e humildade, coisas as quais me fizeram admirar esse homem profundamente. Pessoalmente, cheguei às lágrimas copiosamente depois de uma das primeiras vezes que James cita sua infância, adolescência e início de maturidade: a forma com que esse homem aborda todos os caminhos tortuosos e estágios que o levaram a um vício destrutivo e dilacerante é devastadora – mas emocionante, já que houve a superação. E, eu não sei meu caro leitor, mas eu não consigo não me emocionar e impedir meus olhos de brilhar quando leio ou vejo algo sobre um simples ser humano que superou mais do que suas costas poderiam aguentar.

E principalmente: superou com a ajuda do que muita gente despreza, maltrata e repugna. Um simples gatinho.

Aliás, Bob, como já foi dito, é o grande divisor de águas na trajetória de Bowen. Bob é um ser muito inteligente, e imaginá-lo fazendo todas as fofices e estando nas situações que só um amante de gatos como James Bowen pode explicar é maravilhoso – e um ótimo remédio contra o cansaço e mau humor, se me permitem indicar (80% do livro eu li nas duas horas que passo indo e vindo da faculdade, no ônibus, então, acreditem, eu sei do que estou falando). Cativante, a forma com que é retratada a humanização de um homem na visão das pessoas por vê-lo com um animal nos desperta muitos questionamentos. É também curiosa a forma com que James tenta, através de trejeitos, ações e reações de Bob, desvendar de onde ele viera, seu percurso, sua história – além de que a intensidade da existência de Bob na vida de Bowen chega a impressionar e, principalmente, a nos emocionar. E muitas e muitas outras coisas que eu poderia falar sobre Bob, James e suas aventuras e desventuras, mas que fariam essa resenha ter mais de duas páginas de Word – e, consequência óbvia e inevitável, minha carta de demissão enviada cordialmente pela Jeniffer Yara numa tarde monótona e depressiva de domingo*.

Gosto de definir uma palavra para cada livro, uma palavra que resuma o que mais aquela obra me causou, e acho que tenho a palavra para Um Gato de Rua Chamado Bob: cativante. O relato de o quanto que uma verdadeira amizade pode resgatar a esperança e a essência até do mais descrente dos homens e mais perdido dos animais é digna de aplausos. Um Gato de Rua Chamado Bob só é contraindicado para aqueles que não gostam de animais, de se emocionar e de ler uma linda história de resgate de vidas – mas, para o resto (onde, com muito orgulho, me incluo!), é um dever lê-lo. Lê-lo, partilhá-lo e guarda-lo num lugar importante da estante e do coração.

E chega de deixar esse negócio cada vez maior, ou vou mesmo ser demitido.



* Isso é só brincadeira, gente. Por favor. x_x

32 comentários:

  1. Nossa não vejo a hora de ler logo esse livro tenho certeza de que vou adorar, beijos !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/ ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aiushauish Beijos, meu bem! E leia sim. É uma leitura que vale a pena!

      Excluir
  2. Eu amo animais. Acho que adoraria mesmo ler essa livro, achei a resenha interessante e quero muito saber mais a história desses dois amigos. Acredita que tenho 3 gatos? Acho que esse livro foi feito pra mim!. RS

    Beijão

    www.spiderwebs.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Três gatos?! Mulher, você tem uma obrigação existencial de ler esse livro, então! xD Pode ter certeza de que vai se apaixonar por cada página, como eu me apaixonei!
      Um beijão, meu bem!

      Excluir
  3. aaaah só de ter gatinho no meio fiquei com vontade de ler rsrs Na verdade, nunca li uma história que tenha gatinhos no meio, tadinhos!! :o OMG! Preciso ler *o*

    Adolecentro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. IUAHSIUAHIUSHAIUHSIUAHSIUHAS Juro que pensei na mesma coisa quando vi pela primeira vez: "Tem gatinho no meio, eu quero!" xD
      OMG! Leia, mulher. u.u Você está sendo intimada a fazer isso. u.u
      Beijão!

      Excluir
  4. Oi Breno!
    Sério, eu acho que sou estranho! :x
    Eu amo animais e principalmente gatos! Li esse livro e... Sinceramente, não gostei.
    Não consegui me envolver com a leitura e nem muito menos me emocionar. Vi várias pessoas dizendo que amaram, mas isso não aconteceu comigo.
    Em suma, gostei de saber sua opinião e ficou bastante perceptível para mim que você amou a leitura. Isso é muito bom. (:
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leandro, meu bem! Eu sempre fico esperando seu comentário. xD E acho interessante a sua opinião. Acho que sei o que não lhe agradou muito no livro - talvez a escrita, certo? O James Bowen escreve num ritmo muito calmo, e não dá muita vasão a sentimentalismos nas partes sentimentalistas (a emoção que eu sentia era por imaginar o que ele escrevia, e não exatamente pela escolha de frases e palavras para deixar o texto mais envolvente). Ouvi muita gente que já disse que achou o ritmo parado e que, apesar de amar animais, não conseguiu se apaixonar pela leitura.
      Um abraço, querido! Obrigado pela sua opinião. ^^ É sempre um grande prazer vê-los por essas bandas!

      Excluir
  5. Oie Breno e Jhenny
    acho a capa desse livro super fófis. Apesar de ter uma alergia braba a gatos, eu adoro esses bichanos, e quero muito ler o livro.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puts, Jacqueline, não acredito que você tem alergia logo a gatos. x.x Faço votos pra que isso diminua com o tempo e que a sua leitura seja agradável - tanto quanto foi para mim. ^^
      Beijos!

      Excluir
  6. Oie Breno!

    Ainda não tive a oportunidade de conhecer Bob (haha), mas de todas as resenhas que li sobre ele (e todas foram positivas), a sua foi a que me fez sentir vontade de ler essa incrível história.

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cássia!
      Que lindo isso. *-* Que bom que minhas palavras tocaram você a ponto de querer ler o livro! Acredite, meu bem: você não irá se arrepender nem um pouco. ^^
      Um beijo! Obrigado pelo carinho!

      Excluir
  7. Eu não sou muito fã de gatos, confesso. Mas a resenha do livro me deixou com uma pontinha de vontade de ler, rs.
    Beijinhos

    Hipérboles
    @hiperbolismos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não necessariamente é preciso amar gatos para ler o livro. Existem outros pontos muito bacanas nele, o que o faz uma leitura para todos os gostos. ^^
      Espero que compre o livro e se apaixone por ele, Amanda! Beijinhos! ^^

      Excluir
  8. Eu sempre fico com um pé atrás com histórias que envolvem animais...sei que vou acabar em rios de lágrimas, é uma leitura que preciso ter o meu tempo certo pra fazer....mas a dica está anotada.

    Beijos
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh, nós, pessoas que choram cachoeiras com bichinhos... Acho que isso é tudo culpa do Beethoven e da Sessão da Tarde. ashuauish
      Beijos!

      Excluir
  9. GATIIIIIIIIIIIIIIIIIIIINHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOS <3 <3 <3 acabei não pedindo esse livro porque, por maior que minha paixão por gatos seja, não consegui botar muita fé na história... provavelmente vou ler mais pra frente! Gatinhos <3 <3 <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEW, amo gente que grita por causa de gatinhos *u*
      Leia sim, meu bem! Leia e se delicie, assim como eu e grande parte da população britânica - responsável por transformar esse livro num best-seller inglês. ^^
      Beijão!

      Excluir
  10. Oii Breno, você é um fofo !! Obrigada pelo carinho, fico muito grata! Vim também dizer que tem enquete lá no blog, preciso de sua opinião!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhá, Camila, você que é uma fofilda! Ver você por aqui é sempre um prazer também. ^^
      Pode deixar que dou uma passa por lá! E não esquece de, de vez em quando, dar uma passada aqui e uma lida nas coisas que eu, a Jeniffer e o Nato postamos. Acho que você vai gostar. ^^
      Beijão!

      Excluir
  11. Oi, tudo bom?
    Eu adoro livros com animais, e acho que sempre que os leio falam sobre cachorros. É legal que esse seja sobre gatos. E também me derreto toda, certeza que vou chorar muito quando o ler!
    Obrigada por prestigiar minha coluna no Refúgio das Palavras!
    Tem post novo e promoções lá no blog!
    Beijos
    Endless Poem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é uma verdade: desde Marley & Eu que uma enxurrada de livros sobre cães lotam as livrarias e se tornam best-sellers. Acho que Um Gato de Rua Chamado Bob veio para ser o grande abre-alas para os nossos queridos bichanos como protagonistas de literaturas. E que abre-alas! Acredite: você vai chorar muito e amar.
      E não tem de quê, Sarah! É um prazer prestigiar os amigos blogueiros. ^^ Pode deixar que vou dar uma olhada sempre!
      Beijão!

      Excluir
  12. Através da sua resenha vi que esse livro pode ser uma leitura diferente, pode mudar os ares depois de ler aquele bando de livros praticamente iguais. Obrigada pela dica. Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sair da monotonia literária é sempre uma coisa deliciosa, Ágata. O fora do convencional pode ser delicioso se dermos uma chance - principalmente quando se fala de Literatura!
      Não tem de quê. ^^ Pode deixar que vou dar uma olhada no Tudo Tem Refrão. E que bom que a minha resenha fez você enxergar isso! Obrigado!
      Beijão!

      Excluir
  13. Ai meudeus Breno, que resenha é essa? Você quase me fez chorar.. será que é porque, assim como você, sou doida por gatos (tenho 3). Se já morri chorando quando li Marley e eu, o que me resta quando ler Um gato de rua chamado Bob?? hehe Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, meu Deus, Mirelle. Se você é das minhas, que ama tanto bichanos que chega a doer, prepara a toalha de mesa. Porque lencinhos não vão dar conta das lágrimas. ç.ç
      Beijão, Mi!

      Excluir
  14. Sou fissurada em livros que contam estórias sobre animais.
    Tem aquele encantamento todo especial, a mudança que um serzinho faz na vida de uma pessoa.
    Tenho muita vontade de ler esse livro e pretendo comprar o mais rápido possível.
    Adorei a resenha.
    Evento Literário #03 - 2ª Turnê Intrínseca.
    Confere lá!
    Manuscrito de Cabeceira
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lauri! Eu passei a gostar depois de Um Gato de Rua Chamado Bob - apesar de que sempre quis ler Marley & Eu (clássico) e aquele do Richard Gere com o cachorro que espera ele todos os dias na estação (aquele filme é a adaptação de um livro, certo?).
      Mil beijos, meu bem. Obrigado pelo carinho. ^^ Aliás, aquele seu Blog sobre os manifestos foi lindo, lindo. Eu amei!

      Excluir
  15. Olá! Estou muito curiosa para ler esse livro, porque adoro gatos e a história me interessou. Pela sua resenha, deve ser um livro emocionante e muito bom. É minha primeira visita no blog, então, já vou seguir e acompanhar as próximas resenhas!
    Beijos,
    Niki - http://www.meigaemalefica.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Primeira visita e lendo uma resenha minha, que honrado eu sou. *-* Leia, Niki, por favor. Eu aposto que não vai se decepcionar. É livro de cabeceira para apaixonados por bichanos.
      Beijões! Pode deixar que o Meiga e Maléfica (aliás, amei o nome) já estará entre os meus blogs seguidos. ;D

      Excluir
  16. Já está me dando uma coisa de vontade de ler esse livro. Eu amo gatos e nem acreditei quando ganhei ele em uma promoção. Assim que chegar vou ler.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sempre tenho inveja de pessoas sortudas que ganham promoções - já que eu sou o maior azarado que existe pra isso. Acredita que nem um bingo eu ganhei na vida? ç.ç
      Enfim, meu bem. Aproveite o livro quando ele chegar! E, se lembrar, me diz depois como foi a leitura. ^^
      Um beijo!

      Excluir

Opine,reclame,exclame,comente.Mas uma dica: palavras sinceras são sempre bem-vindas.

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo