28 junho 2012

[Filme] Sombras da Noite

Título: Sombras da Noite
Título Original: Dark Shadows
Lançamento: 2012
Direção: Tim Burton
Atores: Johnny Depp (Barnabas Collins), Eva Green (Angelique),Helena Bonham Carter (Dra. Julia Hoffman), Michelle Pfeiffer (Elizabeth Collins Stoddard).
Gênero: Comédia, drama, mistério




Um filme para rir

No ano de 1752, Joshua, Naomi Collins e seu filho Barnabas, foram embora de Liverpool, Inglaterra, para começar uma nova vida na América. Mas mesmo um oceano não foi suficiente para escapar da misteriosa maldição que atormenta sua família. Duas décadas se passaram e Barnabas (Johnny Depp) tem o mundo aos seus pés, ou pelo menos a cidade de Collinsport, Maine. Capitão do Collinwood Manor, Barnabas é rico, poderoso e um playboy inveterado ... até que ele comete o erro grave de quebrar o coração de Angelique (Eva Green), uma bruxa, em todos os sentidos da palavra, Angelique condena-o a um destino pior que a morte, transformando-o em um vampiro e enterrando-o vivo. Dois séculos mais tarde, Barnabas é libertado de seu túmulo, e surge nos dias modernos


Dark Shadows me despertou interesse obviamente por ter Johnny Depp e Tim Burton juntos de novo. Não nego que sou fã de Johnny Depp e as extravagâncias e produções sombrias de Tim Burton me assustavam quando criança, mas ao longo do tempo fui me interessando por suas obras.
Esse filme é uma adaptação de uma série/novela dos anos 60, Tim Burton disse a uma entrevista que o objetivo dessa adaptação seria fazer uma homenagem a essa série de TV que fascinava ele e os atores envolvidos no filme. Dark Shadows foi uma série gótica daquela época, a produção não era nada extravagante e as cenas em preto em branco só proporcionavam um certo terror maior ainda a ela. Eu sei por que vi alguns vídeos de alguns episódios, acho que se vou ver um filme que é uma adaptação de outra obra, eu necessariamente me acho obrigada a conhecer a obra original para entender a obra mais atual.


Enfim, o filme não agradou a maioria pelo que vi nas críticas postadas nos blogs especializados nisso, o roteiro foi dito como fraco e as cenas foram taxadas sem nexo com clichês e cenas desnecessárias.
Mas vamos a minha opinião, que é o que sempre posto aqui: Eu gostei do filme. Até eu que não sei muita coisa sobre cinema, nem tenho porte pra falar sobre as produções da dupla Burton + Depp (Que eu gostei de todas que vi até agora, por sinal), sei que o filme em algumas partes não foram tão interessantes assim. Mas vamos aos pontos positivos...


Burton também em declaração a uma entrevista, disse algo parecido de que o filme era uma produção melodramática com pitadas de humor e é certamente o que vi na tela de cinema enquanto Sombras da Noite era exposto. As cenas divertidas tem a ver com Johnny Depp atuando como Barnabas, o vampiro que depois de 200 anos volta para sua família e tentando entender como é o mundo no presente que ele vive agora nos dá cenas engraçadas, com piadas sutis que nem todos irão entender e rir na hora (No caso, só eu e minha amiga rimos com algumas cenas, não foi muito vergonhoso já que se duas pessoas riram da cena quer dizer que o resto que tava sala que não entendeu a piada né?).


E o filme tem todo aquele cenário típico de Burton, com as cores sombrias, e todo o ar gótico que Dark Shadows exige de uma adaptação para o cinema, com certeza. Algumas cenas temos humor, já em outras um melodrama. O humor fica para Johnny Depp com seus trejeitos, sua linguagem rebuscada de um típico vampiro de 200 anos. Eva Green foi destaque nas críticas que li por aí, ela realmente atuou muito bem, nos trazendo a bruxa *louca* obsessiva por Barnabás mas ao mesmo tempo 'assustadora'.


Queria mais cenas com foco na Carolyne (Chloe G Moretz), a adolescente *totalmente estranha* rebelde que não tem papas na língua, gosto da atriz desde quando vi Kick Ass, ela também traz revelações no final do filme, mas não enfocam muito em sua personagem.
Michelle Pfeiffer merece comentário por atuar bem e que bom que ela conseguiu o papel nesse filme (Ela ligou para Burton quase implorando para o papel, segundo sua própria declaração numa entrevista), ela traz drama a sua atuação, mas como não teve muito foco também no filme, não tenho muito o que comentar.

Eu ri alto nessa cena, piadinha do filme, só vendo pra entender. rs

O final não foi muito satisfatório pra mim, pensei que iria acontecer uma coisa e aconteceu outra, mas foi previsível mas deu um final bom ao filme e eu entendo que fazer de uma série com duzentos e tantos episódios se tornar um filme com apenas duas horas deve ser difícil, e tomando em conta isso, gostei do filme, gostei das sacadas de humor inteligente, mas sei que muita gente não vai gostar, e sei que muita gente está indo aos cinemas ver Sombras da Noite não sabendo nada sobre a série de TV, acho que é um ponto que deve ser levado em consideração. Johnny Depp não me decepcionou, mas sou suspeita para falar ♥ 

Então assistam ao filme e tirem suas próprias conclusões >< Até a próxima!

25 junho 2012

Resenha - Garotas de Vidro



Nome: Garotas de Vidro
Original: Wintergirls
Autor(a): Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Submarino - Saraiva  - Fnac
Sinopse: Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda. Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.

Garotas de Vidro conta basicamente a estória de Lia, que tem problemas com alimentação (anorexia) e que esse problema piora quando sabe da morte de sua melhor amiga, Cassie. As duas tinham problemas com alimentação, Cassie tinha bulimia (Desde pequena já vomitava sempre depois de comer uma grande quantidade de comida) e Lia, anorexia, se recusava a comer praticamente.
As duas não se falavam direito no período anterior a morte de Cassie, mas o que afeta mais ainda Lia é o fato de Cassie morrer sozinha num quarto de um motel e ter ligado 33 vezes e ela não ter atendido o celular. 

O livro pode parecer que é envolto por esse mistério, mas não. Temos no livro o eu-lírico em primeira pessoa narrado por Lia, nós mergulhamos na vida e na mente dela. Sua família e até sua madrasta (Jennifer, fico toda boba quando vejo um nome quase parecido com o meu em um livro, me deixem) tentam ajudá-la, mas ninguém consegue penetrar na bolha que Lia cria em volta de si, se recusando a comer, se recusando a falar dos fantasmas que a assombram, desde a morte de sua avó.

Sim, por que temos Cassie 'assombrando' Lia no seu dia-a-dia, além das vozes em sua cabeça a xingando e fazendo ela se odiar por simplesmente pensar em comer.

::Estúpida/feia/estúpida/vaca/estúpida/gorda/
estúpida/criançona/perdedora/estúpida/perdida::
Eu gostei muito desse livro, ele aborda o tema da anorexia, depressão, bulimia; a narrativa em primeira pessoa dá a impressão de estarmos mesmo dentro da mente de Lia. Me irritei algumas vezes com ela claro, ela se recusava a comer mesmo quando entendia mais ou menos seu estado deplorável. Mas na maioria do tempo, ela se enxerga mesmo gorda, e sempre confusa pela morte de Cassie.

Ao longo da narrativa, quando Lia decide saber como Cassie morreu e tendo a esperança de deixar de ser assombrada por ela e pelas sombras, se resolvesse esse problema, vamos descobrindo o que aconteceu com a melhor amiga de Lia e como tudo isso (As duas terem feito um pacto de quem seria a mais magra, o fato de Lia não se dar bem com sua mãe,etc) surgiu.

Gostei do modo de narrativa, existem pensamentos confusos nela, palavras cortadas, ou seja, pensamentos que não deveriam existir, pelo menos na cabeça da personagem e ainda vemos de perto como é ter uma pessoa anoréxica e que recusa tratamento dentro de casa e como uma família lida com isso.

A leitura não é leve, mas é muito interessante. O final foi satisfatório pra mim.
A edição é maravilhosa, só a capa já é linda, tem uns efeitos nela, onde em algumas partes sentimos um material diferente, acredito que pode significar cacos de vidro quebrado, se for isso, eu amei. Não encontrei erros ortográficos, enfim, Garotas de Vidro está mais do que recomendado.

22 junho 2012

Playlist: Dance Dance


Faz um tempo que não posto uma Playlist aqui não?! Essa eu elaborei há algum tempo atrás, mas só agora pude e quis postar ><
Tem dias em que eu realmente preciso me animar ou quando sempre resolvo fazer faxina no quarto e enquanto faço o trabalho pesado gosto de colocar música pra tocar e geralmente são músicas bem animadas justamente pra não me fazer querer parar o que eu estou fazendo ou tem dias em que eu simplesmente quero ouvir umas músicas agitadas pra 'levantar o astral'. Acredito que vocês também tem dias assim.
E com isso na cabeça eu elaborei a playlist de hoje, são músicas agitadas que nos fazem querer dançar, ou no meu caso, remexer o corpo, enquanto ouvimos; e é mais uma playlist totalmente elaborada a partir do meu acervo pessoal, ou seja, meu gosto musical que pode não agradar a todos. Mas espero que gostem.


A lista vai desde de A-ha até Vampire Weekend, que eu acredito que seja uma banda que a maioria não conhece, sempre gosto de trazer coisas que a maioria não conhece ♥ E tem músicas aí que eu realmente AMO demais, como Undisclosed Desires do Muse e Somebody Told Me do The Killers.
O nome da playlist é Dance, Dance mas só por que são músicas agitadinhas, não são como forró ou funk que tem uma coreografia a ser dançada, mas espero que ouçam, curtem e quem quiser tem link pra download:


So, let's go dance?!
Tinha que ter esse gif nesse post *______________________* 

20 junho 2012

Meme: About Me


Já faz um bom tempo que não posto um meme aqui, e dessa vez fui indicada por três blogueiras lindas e fofas, Juliana do Sweet Girl e Manuela do Garota de All Star que me viram comentar no blog da Mia que também postaram esse meme e também pela Ariane do blog Dreamer, e como o meme se trata de falar sobre a pessoa, e eu confesso, amo falar de mim ás vezes, quis muito fazê-lo. rs
Então vamos ao meme:

Sou muito ansiosa, desde que me entendendo por gente sou assim, fico pensando em tudo que quero ter, em tudo que quero fazer, em coisas que ganhei e que estão prestes a chegar dos Correios a qualquer momento. Enfim, sou chata em relação a isso por que minha ansiedade ás vezes me atrapalha em fazer outras coisas por que fico pensando muito naquela coisa que quero.

Eu não suporto muita coisa, essa é a verdade. Tenho várias coisas pra citar como complemento aqui, mas entre as coisas que eu odeio estão: música ruim e tosca ou que eu simplesmente não goste em alto volume na casa do vizinho, ser acordada por tais músicas, gente fumando perto de mim, falsidade, mentiras desnecessárias, enfim.

Eu nunca aprendi a andar de bicicleta. Pois é, tenho 18 anos e não sei andar de bicicleta por que quando pequena reclamei muito de quando cai tentando andar em uma sem rodinhas, daí grandma desistiu de me ensinar, vendeu a bicicleta que tinha e nunca mais parei pra tentar aprender a andar >< rs

Eu já tentei cozinhar mas não consegui, na verdade, tentei fazer ovos mexidos, mas saiu uma coisa estranha com pedaços da casca do ovo nele D: E já tentei fritar batatas, mas também não deu certo. Hm. Não sei cozinhar, mas ninguém pode me culpar por não ter tentado. 

Quando criança, eu brincava de escritório e passava horas na frente da TV, meio nerd não?! Mas eu amava ter meus caderninhos, um porta-lápis e alguns livros ao meu redor e acordava cedo pra ver os desenhos animados de manhã, quando não estudava nesse horário, claro.

Neste exato momento, eu quero mesmo é poder viajar ao Rio de Janeiro com minha grandma linda e conhecer a cidade maravilhosa que tanto vejo na TV e quem sabe encontrar alguns famosos por lá! hahaha' (Minha vó tem uma família enorme lá, ela é carioca e desde quando entendi o que é ser carioca, tenho vontade de conhecer o Rio e visitar favelas inclusive).

Eu morro de medo de morrer sozinha numa casa  rodeada por livros e objetos legais, mas sem o que verdadeiramente importa: Uma família.

Eu sempre amei escrever, desde quando aprendi a fazer isso ♥

Se eu pudesse, eu compraria vários livros, dvds, boxes de séries que eu desejo. 

Fico feliz quando pessoas que amo tem orgulho de mim ou simplesmente estão ao meu lado.

Se eu pudesse voltar no tempo, eu deixaria de ter feito algumas coisas erradas.

Adoro assistir a seriados e filmes ♥ Simplesmente amo como um filme ou um simples episódio pode mudar um pouco do meu dia ou até me fazer refletir sobre algumas coisas.

Quero aprender a tocar violão, falar inglês fluentemente, a andar de bicicleta e mais de HTML :}

Eu preciso ser menos ansiosa, impaciente e ter mais fé. 

Não gosto muito de esperar por alguma coisa ou por alguém e da incerteza do amanhã.

E esse foi o meme de hoje, não vou fazer indicações, de novo estou com preguiça, prefiro que as pessoas que se interessarem pelo meme, façam em seu blog e me avisem pra conhecer vocês melhor ><

19 junho 2012

Lançamentos #6

Mais um post de lançamentos de Junho, lindos da Martin Claret, não me canso de admirar as capas maravilhosas dos livros deles ><

Kama Sutra -  Vatsyayana 
Escrito para a nobreza da Índia por Vatsyayana, estudante celibatário que viveu em Pataliputra, o Kama Sutra faz parte da literatura religiosa hindu. Apesar do caráter erótico e com foco no prazer, seus ensinamentos pregam, em primeiro lugar, a elevação espiritual do homem. Kama significa amor, prazer e satisfação. O termo é um dos pilares da religião hindu, em conjunto com o Dharma e o Artha (o mérito religioso e a aquisição de riquezas, respectivamente). A obra foi composta nos séculos I e II da nossa era e proclama a arte indiana do amor. O mundo ocidental conheceu o Kama Sutra por meio da clássica tradução de Sir Richard Francis Burton e Foster Arbuthnot. Atemporal, Kama Sutra é o maior clássico indiano sobre a arte do amor. 

A Viuvinha / Encarnação -  José de Alencar 
José de Alencar é um dos maiores representantes da ficção romântica nacional e um dos fundadores de uma literatura brasileira autônoma de Portugal. Em seus romances urbanos A Viuvinha (1860) e Encarnação (1893), Alencar presenteia o leitor com histórias de amor, paixões, ciúmes, heróis e heroínas, apresentando os costumes, comportamentos e interesses da sociedade carioca na época do Segundo Império. Caracterizados pelos preceitos medievais de revelação e conversão cristãs, e de amor e honra heroicos, os romances deste volume possuem importantes valores do Romantismo universal: o culto ao eu, o idealismo, o pessimismo e a melancolia.



Brás, Bexiga e Barra Funda - Antônio de Alcântara Machado 
O paulistano Antonio de Alcântara Machado se destacou no movimento modernista quando publicou sua série de contos reunidos no livro Brás, Bexiga e Barra Funda (1927). Seus contos são muito elogiados pela crítica e retratam com humor e exatidão a vida na São Paulo da década de 1920. Brás, Bexiga e Barra Funda é composta por 11 contos que nasceram da experiência do autor como jornalista e são recheados do linguajar típico das notícias. Os três bairros paulistanos que dão nome ao livro retratam a influência e a integração dos imigrantes italianos na cidade de São Paulo. Esta edição reúne também os 12 contos de Laranja da China (1928). Fruto de uma paródia do Hino Nacional muito popular na época de Alcântara Machado, “Laranja da China” é uma expressão que dá o tom humorístico e nacionalista aos contos, todos eles pincelados de humor e linguagem coloquial.

Elogio da loucura -  Erasmo de Rotterdam
Escrito em 1509 e publicado em 1511, Elogio da loucura é considerado um dos mais importantes livros da civilização ocidental e um grande influenciador da Reforma Protestante. Neste ensaio singular, repleto de alusões clássicas, escritas no estilo típico dos humanistas do Renascimento – em que a loucura é a narradora que ao longo do texto vai mostrando o quanto está presente no mundo dos homens e que, no fundo, é quem torna a vida mais branda e suportável –, Erasmo critica o ensino da Escolástica, os falsos sábios distanciados da vida simples, a suntuosidade do alto clero em contraste com os ensinamentos de Cristo, a hipocrisia das instituições humanas e as guerras. Uma das grandes obras do Renascimento, Elogio da loucura influenciou o processo das profundas transformações que marcaram o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.

17 junho 2012

Resenha - A filha da minha mãe e eu


Nome: A filha da minha mãe e eu
Autor(a): Maria Fernanda Guerreiro
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Submarino - Saraiva - Lojas Americanas 
Sinopse: Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um.

Depois de duas leituras (Viva para contar e Private) meio tensas e de um gênero que não é o meu preferido, estava em busca de um livro, digamos, mais leve e que fluísse bem a leitura, mas de um modo simples e não perturbador, como foi em Viva para contar, então decidi pegar A filha da minha mãe e eu para ler, um livro que realmente me fez refletir como filha, pensar como a vida de uma mãe deve ser, enfim.

A filha da minha mãe e eu, basicamente conta a estória de Mariana e sua família, mais especificamente com sua mãe. Depois de saber que está grávida, vemos Mariana relembrar de toda sua vida familiar, do seu relacionamento 'conturbado' com sua mãe, de tudo que passou junto á ela. E nessa leitura, fazemos parte da família de Mariana, conhecemos os conflitos que ela tinha em relação a ela e sua mãe, os conflitos que tiveram em relação ao seu irmão da mesma idade e o relacionamento íntimo com seu pai.

A narrativa é em primeira pessoa, então a leitura foi como ler um diário de Mariana, ela relembra de vários fatos ao longo da sua vida que tinham a ver com ela e sua mãe, um relacionamento conturbado por elas nunca se darem bem, por Mariana sempre achar sua mãe rígida e distante demais, mas ao longo dos anos e dos momentos vividos junto a sua família, ela vê que não se trata só de sua mãe, mas de como ela age como filha também, ou seja, são duas partes errantes da estória.

Sem dúvida é uma estória bem íntima, mesmo não sendo real, não tem nada extraordinário na narrativa que não nos faça identificar com alguma coisa ali, eu me identifiquei várias vezes com alguns pensamentos de Mariana em relação a sua mãe. É um livro que como já disse no começo, me fez refletir como ajo como filha, será que minha mãe é que está errada mesmo quando faz certa coisa que não me agrada? Ou ela só está sendo mãe do jeito que aprendeu a ser?! 

Mariana me irritou algumas vezes e o irmão dela, Gustavo, também, parece que ele não cresce nunca; mas isso não fez da leitura desagradável. O selo jovem da Novo Conceito está super adequado, acredito que existem muitos jovens por aí agindo erradamente com seus pais, ou com sua mãe, e que lendo esse livro, poderia repensar nas suas atitudes.

A capa é simplesmente linda, não encontrei erros de diagramação e a autora sendo brasileira só me faz querer prestigiar mais ainda a literatura nacional, por que ela fez dessa leitura que parece extremamente íntima, fluir bem e fez com que eu me identificasse em alguns pontos. Recomendo esse livro não só aos filhos e filhas mas também às mães, é um ótimo livro para compreender melhor um ao outro.

Hey, espero que tenham gostado da resenha e queria avisar que talvez eu demore a responder comentários por um probleminha com o tempo que passo em frente ao computador, mas não é certo, só queria avisar logo caso isso realmente aconteça. Obrigada aos memes e selos indicados e aos novos seguidores que aparecem a cada dia, não gosto de agradecer sempre isso por que acho repetitivo, mas enfim, obrigada ><

15 junho 2012

Filmes - No fim do mundo

Mais um post de lista de filmes sobre um determinado tema que me interessa ou que eu acho interessante, e nada melhor do que esse tema de fim do mundo em pleno ano de 2012, onde existe a tal teoria dos Maias(?) de que nosso mundo irá acabar. Espero que isso não aconteça, ainda nem fiz Universidade, seria uma grande injustiça na minha vida (risos). Mas enfim, os filmes aqui listados foram só os vistos por mim, que eu sei que são bem interessantes e que causa um certo 'medinho' quando acabamos de vê-los pelas cenas impressionantes e que  ás vezes não escapam muito da realidade. Enfim, espero que gostem da lista, e aproveitem o final de semana para ver os filmes e saber como agir no fim do mundo (Brincadeira, mas é bom se preparem logo! Brincadeira de novo,rs).

Guerra dos mundos

Ray Ferrier (Tom Cruise) é um homem divorciado que trabalha nas docas. Ele não se sente à vontade no papel de pai, mas precisa cuidar de seus filhos, Robbie (Justin Chatwin) e Rachel (Dakota Fanning), quando eles lhe fazem uma de suas raras visitas. Pouco após eles chegarem Ray presencia um evento que mudará para sempre sua vida: o surgimento de uma gigantesca máquina de guerra, que emerge do chão e incinera tudo o que encontra. Trata-se do primeiro golpe de um devastador ataque alienígena à Terra, que faz com que Ray pegue seus filhos e tente protegê-los, levando-os o mais longe possível das armas extra-terrestres. Saiba Mais 

Independence Day 

No dia 2 de julho os sistemas de comunicação do mundo inteiro se transformam em um caos, devido à uma estranha interferência atmosférica. Logo se descobre que enormes objetos estão em curso de colisão com a Terra. Inicialmente imagina-se que se tratam de meteoros, mas logo revela-se ser na verdade uma imensa nave espacial pilotada por alienígenas. Após frustradas tentativas de se comunicar com os extra-terrestres, um técnico em comunicação descobre que os seres do espaços estão usando os satélites terrestres para se comunicarem e iniciarem em menos de um dia um ataque conjunto nas principais cidades do planeta. No dia 3 de julho o ataque alienígena começa de forma esmagadora e nem armas nucleares conseguem destruir a blindagem protetora. Mas no dia 4 de julho surge uma possibilidade de vencer o invasor e nesta hora todas as nações precisam se unir, pois está em jogo a existência da raça humana.

O dia em que a Terra parou

O dia em que a Terra parou Helen Benson (Jennifer Connelly) é uma cientista que mantém contato com Klaatu (Keanu Reeves), um alienígena que veio à Terra para alertar sobre uma crise global. Ele deseja conversar com os líderes globais mas, por ser considerado hostil, passa a ser ameaçado pela humanidade.

2019 - O ano da extinção

Em 2019, a população mundial quase toda foi transformada em vampiros por um tipo de vírus e estes levam uma vida socialmente próxima do normal, vivendo principalmente a noite. A pequena parcela da população sobrevivente virou gado em instalações de coleta de sangue para manter a maioria viva. Agora com a raça humana ameaçada de extinção, os vampiros terão que capturar os humanos restantes ou desenvolver uma nova raça para perpetuar a espécie. Enquanto isso, um grupo secreto descobre uma nova maneira de lidar com os vampiros.

P.S: Esse filme não é exatamente sobre o fim do mundo, mas a extinção do ser humano e a população mundial quase toda sendo vampiros, é uma coisa a lá fim do mundo, não?! 

Eu sou a lenda

A história do filme estrelado por Will Smith acontece no ano de 2012. O Dr. Neville é um cientista militar. Ele é a única pessoa que não foi contaminada por um vírus, criado 3 anos antes por uma cientista que buscava uma cura para o câncer, em toda a cidade de Nova Iorque e provavelmente em centenas de quilômetros. Ele já era o responsável por encontrar uma cura para esse vírus, por isso tem um laboratório no qual faz testes a partir do próprio sangue. As pessoas infectadas que não morreram imediatamente vivem como vampiros, apresentando sintomas parecidos aos da raiva e um comportamento selvagem e ameaçador. Por tanto, Neville tem que lutar diariamente tanto contra o risco de cometer um erro e ser pego pelas pessoas infectadas, como contra a solidão que o atormenta diariamente, algo que o faz esperar todos os dias no porto da cidade por alguém que escute sua mensagem de rádio.


2012

A cultura Maia afirma que a terra, como a gente conhece, terá um fim no ano de 2012. A teoria revela que o fim da terra começa com o alinhamento planetário e uma inversão dos pólos da Terra após um grande tsunami. Após isto o caos se instala e o planeta terra começa a se tornar inabitável. Nunca antes na história uma data foi tão significante para tantas culturas, tantas religiões, cientistas e governos. 2012 é uma aventura épica sobre um cataclismo global que traz o fim do mundo e conta a heróica luta dos sobreviventes.
Saiba Mais

O dia depois de amanhã

A Terra sofre alterações climáticas que modificam drasticamente a vida da humanidade. Com o norte se resfriando cada vez mais e passando por uma nova era glacial, milhões de sobreviventes rumam para o sul. Porém o paleoclimatologista Jack Hall (Dennis Quaid) segue o caminho inverso e parte para Nova York, já que acredita que seu filho Sam (Jake Gyllenhaal) ainda está vivo.
***
Deixei por último o meu favorito filme sobre o fim do mundo, vi ele depois de tantas recomendações nas aulas de Geografia e se não foi o primeiro filme que vi com esse tema, os outros que vi antes dele não tiveram tanta importância, pois não os lembro. Coloquei 2012 pelos efeitos especiais e as cenas impressionantes, vi muitas críticas ruins em relação ao enredo em si, mas relativamente gostei desse filme. Eu sei que ainda tem Armageddon, que é um clássico, mas por incrível que pareça eu ainda não vi ele todo, então não coloquei na lista.  E tiveram dois filmes com Will Smith! Foi pura coincidência, mas se bem que tenho ele na lista de atores preferidos ♥ Ops, tema pra outro post...
Enfim, sempre gosto de trazer filmes que não são conhecidos pela maioria, mas nesse tema não encontrei filmes  que não fossem 'famosinhos' e que eu tinha visto, então me perdoem pelo post meio 'pop' de hoje. rs
Então, gostaram da lista? Se interessam por filmes com esse tema?

12 junho 2012

Resenha - A escolha

Nome: A escolha
Original: The choice
Autor(a): Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Submarino - Saraiva - Lojas Americanas
Sinopse: Travis Parker possui tudo o que um homem poderia ter: a profissão que desejava, amigos leais, e uma linda casa beira-mar na pequena cidade de Beaufort, Carolina do Norte. Com uma vida boa, seus relacionamentos amorosos são apenas passageiros e para ele, isso é o suficiente. Até o dia em que sua nova vizinha, Gabby, aparece na porta. Apesar de suas tentativas de ser gentil, a ruiva atraente parece ter raiva dele. Ainda sim, Travis não consegue evitar se engraçar com Gabby e seus esforços persistentes o levam a uma jornada que ninguém poderia prever. Abrangendo os anos agitados do primeiro amor, casamento e família, A Escolha nos faz confrontar a questão mais cruel de todas: Até onde você iria manter o amor de sua vida?
Minha primeira experiência com Nicholas Sparks quando li esse livro.E depois de tanto ler várias resenhas sobre vários livros dele, já sabia o que esperar, mas estava curiosa para saber o que eu iria achar.

A escolha conta a estória de Travis, um solteirão com uma ótima vida, sem poder reclamar de nada, ele tem amigos do jardim da infância que vão a casa dele nos finais de semana com suas famílias, pratica esportes, tem um emprego bom que as sextas lhe dá folga e uma ótima casa. Já Gabby é muito diferente dele, teve uma vida dirigida pela opinião dos outros (basicamente por sua mãe), aceita desaforos e tem um namorado que não lhe dá muita atenção.

Após um desentendimento com Travis, os dois acabam se conhecendo melhor e se aproximando mais. Ou seja, é o nosso casal protagonista que vive um amor sem medidas, o tal do amor verdadeiro mas que no final, acaba sofrendo uma tragédia e Travis precisa tomar uma decisão (não vou contar a tragédia, considero spoiler, vocês precisam ler).

Nicholas é famoso por seus livros trazerem clichês nas estórias, pelo menos na maioria dos blogs que visitei, li isso. E nesse livro não foi diferente; até pra mim que foi minha primeira leitura dele, ler que um casal após um simples fim de semana disseram 'eu te amo' um pro outro, não me pareceu certo. Mas isso foi a única coisa que me incomodou de verdade.

Eu me diverti com as atrapalhadas de Gabby, suspirei com Travis e torci para o casal dar certo, ou seja, me envolvi mesmo na estória. Comecei a ler o livro numa noite de quinta e terminei na sexta, a leitura fluiu muito bem, a narrativa de Nicholas é leve e doce, ótima para um fim de semana com chuva ou com sol, tanto faz. O final é lindo, quase chorei em uma parte; gostei muito.

A estória ainda envolve os cachorros de Travis e Gabby, Moby e Molly, que são um charme a mais na narrativa. O que dizer? Me encantei com A escolha, precisava ler um romance, precisava de um livro com final feliz. A capa é linda, encontrei talvez uns dois erros de gramática, mas nada grave. Pra quem gosta de romances, cachorros, ou Nicholas Sparks, vale a pena ir atrás de ler A escolha.

10 junho 2012

Quando se torna obrigação


Não sei vocês, mas eu sempre me obrigava a fazer certas coisas para conseguir outras que eu queria ou atingir certas metas. No colegial, me obrigava a estudar muito antes das provas e a fazer trabalhos num período mais do que adiantado à data de entrega, nas vezes que quis ser mais 'feminina', me obrigada a usar peças de roupas ou sandálias e sapatilhas para sair, mas sempre me incomodava e não parecia ser eu mesma. Ano passado, me obriguei a estudar o dia inteiro e só acessar a internet uma ou duas horas a noite, por que precisava me dedicar ao vestibular.

Mas aqui com o blog, nunca foi assim. Eu nunca me obriguei a postar textos meus, foram sempre textos carregados de sentimentos, sensações, inspirações que eu simplesmente queria postar ou precisava desabafar pra alguém. E eu fui atrás de divulgar esse meu espaço? Sim, eu não criei um blog pra que ninguém lesse. Eu queria ver pessoas lendo meus textos e saber se elas se identificariam, se já tivessem passado por aquilo, se elas poderiam me dar conselhos ou simplesmente aprendessem algo junto comigo com as reflexões que eu faço ás vezes. Mas nunca me obriguei a nada aqui, meu blog sempre foi meu refúgio, um hobby, uma paixão.

Mas eu mudei o foco dele, ultimamente os textos pessoais estão raros, até por que eu não tenho muito o que escrever de diferente neles, já escrevi sobre minhas confusões, arrependimentos e angústias que ainda estão em mim; mas parei um dia e percebi que estava me obrigando a postar aqui, e a responder comentários e sair em busca de novos seguidores ou leitores, enfim. Não gostei do que concluí. 

Aqui é um espaço meu, aonde eu faço o que eu quero, e eu amo isso, amo essa liberdade. E não me entendam mal, eu amo postar coisas novas, eu amo trazer novidades e ver pessoas gostando disso, eu amo responder comentários; eu aprendo muito com cada blog que eu visito, eu me identifico com os textos, eu já me emocionei com muitos, eu rio, eu me interesso e eu também amo isso. E é por tudo isso, que eu não quero fazer disso uma obrigação, por que ás vezes o que se torna obrigação deixa de ser prazeroso. E eu não suportaria ver esse blog como algo que não é prazeroso pra mim.

Enfim, não vou deixar de postar muito menos de visitar os blogs, eu já me toquei de que tava fazendo uma coisa errada e vou parar com isso, consertar o erro. Por que esse espaço aqui é uma das minhas paixões, é algo que me dá prazer e um certo orgulho. O que eu quero concluir, é que ás vezes não podemos tornar certas coisas obrigatórias; quando fazemos isso podemos deixar de fazer uma coisa por prazer e só fazer por obrigação, e nem sempre fazemos bem. Por que eu tenho um pensamento comigo: Quando algo me dá prazer, eu faço com todo o carinho e atenção, e quero continuar assim por aqui.

Pra quem não sabe, meu blog até ano passado era só textos pessoais, raramente eu postava sobre outras coisas, então eu mudei o foco dele e fui atrás de divulgá-lo e acho que sem querer tava tornando obrigação essa coisa de querer que continue a dar certo, etc. Enfim, esse foi um texto sem grandes pretensões que eu precisava escrever. Espero que me entendam. AH, o blog conseguiu mais uma parceria: A editora Novo Século *____* Mais uma conquista para comemorar!

08 junho 2012

[Filme] Branca de Neve e o Caçador

Título: Branca de Neve e o Caçador
Título original: Snow White and the Huntsman
Lançamento: 2012
Direção: Rupert Sanders
Atores: Kristen Stewart (Branca de Neve),Chris Hemsworth (Eric), Charlize Theron (Ravenna), Sam Clafin (Príncipe encantado).
 Gênero: Ação, aventura, fantasia

Trailer
Mais informações
Site Oficial do filme



Um filme para vibrar
Em Snow White and the Huntsman, o caçador (Hemsworth) é contratado pela rainha má Ravenna (Theron) para encontrar a enteada dela (Stewart), mas quando descobre que a rainha quer, na verdade, matar Branca de Neve, ele a ajuda a escapar. Os anões que ajudam Branca de Neve, desta vez, são oito - e têm nomes de imperadores romanos: Ian McShane (César), Eddie Izzard (Tibério), Bob Hoskins (Constantino), Toby Jones (Cláudio), Ray Winstone (Trajano), Eddie Marsan (Adriano), Steven Graham (Nero) e Nick Frost (Augusto).


Tudo bem, a frase que costumo colocar nos posts de um único filme são relativamente boas, mas dessa vez essa frase não ficou muito boa, eu sei; mas foi a primeira que me veio em mente e que tem tudo a ver com o que senti vendo o filme.
Não tem muito o que falar da estória não?! Todos conhecem a estória de Branca de Neve. Esse filme traz uma versão bem mais obscura, intensa e cheia de ação sobre ela. Eu particularmente gostei dessa versão, cheia de ação, cheia de intensidade nas cenas. 

Vou logo alertando que não sou nenhuma crítica de cinema, nem tenho muito experiência com filmes pra falar sobre, é só minha humilde opinião (como sempre).


Gosto da atuação da Kristen Stewart, tô acostumada com a expressão séria e ás vezes de sofrimento que ela demonstra nas cenas dos filmes que faz, e já esperava isso nesse. Ainda mais com Branca de Neve tão sofrida e obscura como ela é retratada nesse filme. Ela fez uma Branca de Neve tensa e forte, como ela foi trancada quase sua vida inteira na torre do castelo e depois sendo perseguida pela rainha má.


Charlize Theron como rainha má foi impressionante, ela transmite maldade na sua atuação e alguns fatos e acontecimentos diferentes nesse filme o tornaram original pra mim; como o espelho encantado, que se materializa em frente a rainha enquanto a pergunta clássica é dita: "Espelho espelho meu, existem alguém mais bela do que eu?"


O fato do caçador ter um papel significante nessa estória fez o filme ficar melhor ainda, não vi clichês nele, fora os que já sabemos da estória contada pela Disney...
Chris Hemswhort faz um papel que eu achei que teve muito a ver com aquele 'físico selvagem' dele, além de ser lindo, ele me convenceu de ser um caçador nesse filme (E não mais Thor, o grande poderoso,rs) além do lado sensível e vulnerável que o caçador também tem.


No mais, o filme é cheio de ação, que me fez vibrar na sala de cinema a cada cena de luta ou perseguição com a Branca de Neve (e por isso a frase no começo do post). Vale muito a pena ir ao cinema e pagar pra ver esse filme. A outra versão da estória lançada nesse mesmo ano, Espelho Espelho meu é muito diferente dessa, mas se eu fosse escolher entre os dois filmes, Branca de Neve e o caçador seria o meu escolhido.
O final foi satisfatório, mas esperava uma coisinha ali e outra aqui em relação a dois personagens (quem já viu o filme, vai desconfiar do que eu falo), mas gostei mesmo assim. Uma possível continuação do filme dando ênfase maior no caçador tá rolando no Filmow, mas nada confirmado.
E nos créditos finais ainda temos uma música mais do que maravilhosa de Florence and The Machine, ou seja, final (quase) perfeito.

Fontes: Filmow - Google Imagens - We Heart It

06 junho 2012

Lançamentos #5

Hey! Mais novidades das editoras parceiras (ou não) do blog, vamos conferir?!

Arqueiro:
Você está sendo vigiado - Gregg Hurwitz
“Com uma trama bem construída, cheia de reviravoltas e revelações surpreendentes, Hurwitz nos deixa vidrados, tentando adivinhar até as últimas páginas quem é o verdadeiro inimigo.” - Booklist Patrick Davis tinha um sonho: ver seu nome nos créditos de um filme. Mas não imaginava o preço que teria de pagar por isso. Logo depois de vender seu primeiro roteiro a um estúdio, sua vida entra em colapso. Ele não consegue se firmar como roteirista de Hollywood e, para piorar, seu casamento mergulha numa crise. Misteriosamente, Patrick passa a receber DVDs com gravações dele e da esposa dentro de casa. Após descobrir câmeras escondidas, o casal procura a polícia. Dias depois começam as ligações e os e-mails anônimos propondo um acordo para que tudo volte ao normal. Desesperado, ele não hesita em aceitar a oferta. Mas sua decisão se revela um erro. Logo ele se vê envolvido numa rede de intrigas que pode custar sua vida e a das pessoas que ama. Cada vez mais acuado, Patrick percebe que só há uma saída: superar seus inimigos ocultos no próprio jogo deles. Eletrizante da primeira à última página, Você está sendo vigiado foi um enorme sucesso de crítica nos Estados Unidos, fazendo com que Gregg Hurwitz fosse apontado como uma das revelações do suspense, comparado a grandes mestres do gênero, como Harlan Coben.
Saiba Mais

05 junho 2012

Resenha - Private


Nome: Private 
Autor(a): James Patterson
Editora: Arqueiro
Onde comprar: Submarino - Saraiva - Lojas   Americanas - Fnac 
Sinopse: Jack Morgan é dono da Private, a melhor agência de investigações que existe, com escritórios em vários cantos do planeta. É a ele que os homens e as mulheres mais influentes do mundo recorrem quando precisam de total eficiência e máxima discrição. A agência é o único recurso quando a polícia não pode fazer mais nada. Enquanto Jack e sua equipe investigam o assassinato de 13 garotas, surgem dois outros casos, bem mais pessoais. Fred, tio de Jack, procura-o pedindo ajuda com um escândalo financeiro que pode destruir a liga profissional de futebol americano. E a esposa do melhor amigo de Jack, Andy Cushman, é encontrada morta. Com a Private, nenhum caso fica sem solução. Os três mistérios parecem insolúveis, mas Jack conta com os melhores investigadores e com o que há de mais avançado em tecnologia – recursos que, muitas vezes, não estão à disposição da polícia. Além disso, a agência não responde a instituições oficiais, portanto, nem sempre precisa jogar de acordo com as regras.
Private foi meu primeiro livro do James Patterson, um autor muito bem elogiado nos blogs que visito, e com toda a razão. O gênero de seus livros, ou a maioria deles, é policial, um gênero que não é meu favorito, mas que depois de ler Agatha Christie e Sidney Sheldon, me vi gostando e muito. E James reafirma esse meu gosto por livros com suspense policial.

Private fala sobre Jack Morgan que após ter seu pai morto, ele herda a agência de investigações, Private, e trabalha com uma equipe seleta de investigadores: Justine Smith ('ex-amor' de Jack), Rick Del Rio (companheiro de Jack na guerra do Afeganistão), Emilio Cruz, Dr. Sci e Mo-Bot, dois gênios de laboratório. 
No primeiro livro da série (Sim, Private é uma série de James, assim como O clube das mulheres contra o crime e Alex Cross), Jack tem alguns casos para resolver, primeiro são colegiais que não tem nenhuma ligação, sendo mortas misteriosamente ao longo de anos, um possível serial killer é o suspeito. O segundo caso é bem mais pessoal, o tio de Jack o procura pedindo para investigar sobre possíveis manipulações nos jogos da liga profissional de futebol americano e o terceiro caso é a morte da esposa de seu melhor amigo, Andy Cushman.

Ao longo das investigações, ainda temos o fato de Jack receber ligações misteriosas, dizendo uma simples frase: Você está morto, Jack. Mas isso é deixado de lado durante os casos sendo aos poucos investigados e resolvidos,; Private é uma agência que não só conta com investigadores de alto escalão como também com recursos tecnológicos mais avançados que nem a polícia obtém. Então a narrativa é carregada de súbitas viagens com jatinhos particulares e até carros super caros que Jack e sua equipe utiliza, Private é uma agência  de elite.

A leitura do livro é rápida, primeiro por que a curiosidade nos misteriosos casos aparentemente sem solução é grande, segundo que eu achei a narrativa de James rápida, não existem rodeios com descrições desnecessárias, com fatos ou diálogos desnecessários, então,  desde a primeira página o livro me instigou a querer ler mais e mais. E se pararem para prestar atenção, alguns trechos revelam fatos que continuam misteriosos e que eu acho que serão revelados nos próximos livros; além do final surpreendente e cheio de ação.

Enfim, a capa de Private é linda, preciso enfatizar isso por que logo que peguei esse livro nas mãos fiquei hipnotizada pela capa dele; não encontrei erros ortográficos, os capítulos são curtos, então quem gosta de ler capítulos inteiros antes de parar a leitura (como eu) vai gostar disso. Não posso deixar de lado o fato de que lembrei muito da narrativa de Harlan Coben quando li esse livro, não que seja muito parecido e por isso ficou repetitivo, mas gostei muito do livro Quando ela se foi, tanto pela estória como pelo personagem irreverente, sarcástico e corajoso que é Myron Bolitar, assim como Jack Morgan em alguns aspectos. 

Fiquei sabendo aqui, que o livro está sendo desenvolvido para virar uma série de TV pela Sonar Entertainment, ainda sem previsão de estreia ou de elenco, mas terá seu episódio piloto escrito por John McLaughin, roteirista de Cisne Negro, ou seja, pra quem viu esse filme e gostou tanto quanto eu, a série promete ser boa, vamos torcer para que dê certo e venha ser transmitida no Brasil. Então, super recomendo o livro para quem gosta de Harlan Coben, romances policiais cheios de mistérios e ação.

03 junho 2012

Das que mexem comigo


Hey, post musical da semana chegou mais cedo! 
É um meme que a Mia Sodré 'roubou' do blog da Ana, que por sua vez pegou de outro Anna, a criadora do meme (Não conheço, mas agradeço eternamente por esse meme lindo). Enfim, a regra do meme musical é citar 30 trechos de músicas que nos arrepiam e nos fazem chorar, mas acho que vou quebrar essa regra, por que não sei se tenho 30 músicas que realmente mexe comigo :X rs
Coloquei o player antes, para quem ouvi-lo, escutar as músicas e ler os trechos ><

Siga em frente meu filho desobediente, terá paz quando tiver terminado; deite sua cabeça cansada para repousar.
Não chore mais
Carry on wayward son - Kansas


Você era tudo, tudo que eu queria 
Nós tentamos ser, supomos ser mas perdemos 
E todas as nossas melhores lembranças, tão perto de mim 
Apenas desaparecem Todo esse tempo você fingia 
Foi muito para o meu final feliz
My happy ending - Avril Lavigne


01 junho 2012

#List: Séries favoritas


Mais uma lista aqui no blog, e confesso, acho que essa é mais difícil do que a de filmes favoritos, amo séries e cada uma que vejo e acompanho ou acompanhei tem o meu favoritismo e algumas marcaram fases da minha vida e tenho um carinho enorme por elas. Mas pra facilitar mais as coisas, colocarei aqui as minhas séries favoritas que acompanho recentemente \o/

The Vampire Diaries

Pra mim, é A série. Me apaixonei pelo tema (vampiros), me apaixonei por Stefan, Elena, Damon, Jeremy. Essa série me faz rir, ficar tensa, chorar, um turbilhão de emoções em apenas alguns minutos. Quando me perguntam qual seria minha série favorita, e seu eu não pudesse escolher mais de um, The Vampire Diaries seria a resposta.

Hart Of Dixie

Comecei a ver por causa da Rachel Bilson, The OC é uma ótima referência pra mim, e me encantei, a série é fofa, tem dilemas pessoais e me identifico com alguns, e claro, me divirto muito vendo a série também.

New Girl

Também comecei a ver essa série por causa de uma atriz, no caso, a Zooey, mas acabei dando mais atenção aos outros personagens, como Nick e Schimidt de tão engraçados que eles são ♥ Além de tudo, a série tem aquele humor leve, sem precisar ser vulgar pra me arrancar umas boas risadas.

[Resultado] Promoção - Estilhaça-me


Heeeey! Mais um resultado de um kit lindo de um livro que eu simplesmente amei e que fico muito feliz em poder proporcionar a leitura de um dos seguidores do blog! E as participações foram em número grande, foram 905 formulários preenchidos, fiquei muito feliz mesmo por participarem e muito da promoção >< Mas vamos ao sorteado:

E o(a) sorteado(a) foi.....



Parabéns Mariana Lopes!
Um e-mail já foi enviado a Mari e se dentro de 48h não for respondido, irei fazer um novo sorteio.
E pra quem não ganhou, não desanimem, ainda teremos mais sorteios de mais livros e kits lindos aqui no blog, talvez libere um novo nessa semana que vêm, aguardem o/
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo