27 dezembro 2012

Semana que vem




Quando algo que não te trazia grandes expectativas te surpreende e faz um sorriso aparecer em seu rosto lembrando daquilo que aconteceu, esse algo merece ser registrado em palavras. E assim foi meu 2012.
E o que eu espero de 2013?! Que ele seja tão surpreendente quanto foi o ano anterior a ele. Por mais que tenham existido dias, semanas, até meses ruins, que ele valha à pena como 2012 valeu. Que ele me traga amizades tão boas como tive esse ano e que reafirme outras inesperadas, mas que tornaram-se essenciais hoje.
Mas não vou esperar muito do ano ímpar. Não elevarei minhas expectativas, não quero tantas decepções assim. Sei que terei algumas, mas, por favor, não muitas; pra compensar os outros anos, vai?!
2012 não foi tão bonzinho comigo no começo, mas parece que compensou todos os dias meio depressivos, meio solitários e arrastados que tive, em seus últimos meses.
Eu aprendi sem grandes quedas, grandes machucados e cicatrizes. Descobri-me nos livros, nas letras tão amadas. Concretizei uma amizade que me ensinou mais do que qualquer outra. De novo fiquei confusa, meio desnorteada com alguns sentimentos, mas logo me encontrei. Acabei descobrindo novas amizades e essas não só parecem, mas são, divertidíssimas descobertas. Superei expectativas que nem existiam! Contraditório, eu sei. E me apaixonei novamente. Sabe aquelas sensações dos livros românticos?! Todas elas eu vivi de novo, mas de uma forma diferente. E é inegável, é muito bom.

2012 não foi perfeito, não foi maravilhoso, só foi bom, mesmo assim, valeu à pena. E o que eu quero de 2013?! Que ele seja tão bom quanto, se puder, até melhor. Uma coisa eu tenho certeza: 2013 vai ser único. Unicamente bom. 

Ainda não voltei definitivamente ao blog, infelizmente ainda estou sem internet, mas já de férias do cursinho, das provas de vestibulares e no recesso do Instituto Federal de Belém; tô só esperando os resultados das provas e ver o que vai ser da minha vida '-' haha' Queria postar algo antes do final desse ano e espero que gostem do texto simples. Desejo a todos um maravilhoso 2013, com ótimas oportunidades, maravilhosos momentos, muito amor, paz, alegria e money, por que sem ele não dá pra ser tão feliz assim u.u Até mais!  

25 novembro 2012

Esclarecimento

Hey leitores, seguidores e visitantes do Meu outro lado! Preciso pedir desculpas pela grande ausência minha por aqui. Esclareci sobre isso na página do blog, mas acredito que nem todos viram e também precisava vir aqui diretamente me desculpar.
Não desisti do blog, tanto que nem o exclui; esse todo tempo longe tá sendo por que estou sem internet em casa e por conta das provas de vestibulares agora no final de ano. Também passei num processo seletivo do Instituto Federal do Pará, então também tô cursando um curso técnico pela manhã, ou seja, vida social mínima. rs
Sinto falta de vir aqui e escrever, ler os comentários lindos e sinceros de vocês e retribui-los; além de ler meus livros queridos, enfim, espero que esse período sem poder me dedicar ao blog e as coisas que eu goste esteja terminando e que na volta eu ainda encontre vocês, leitores, aqui <3 p="p">

Até mais.

19 outubro 2012

Carta ao ex


Hoje ouvi a música. Não 'aquela', nem 'uma' música, foi 'a' música que marcou aqueles dias em que eu pensei estar completamente decepcionada com você, em que eu pensei estar sofrendo por alguém que já estava com outro alguém. É, eu pensei estar magoada, e estava, de verdade. Eu apostei minhas fichas em você, não em nós, mas em você e perdi.  
Não, você não foi meu grande amor, não foi o cara que deixava as borboletas no meu estômago agitadas; você só foi legal e efêmero. E a efemeridade não combina muito bem com amor, aquele de verdade sabe?! O que você sente agora por ela. 
Mas ouvindo aquela música hoje, depois de um bom tempo do que já aconteceu, eu me vi ali, no passado, ouvindo-a e pensando no que o nós representou de verdade pra você e remoendo o que você tinha me falado, algo que eu não acreditava ser verdade, mas no fundo, bem lá no fundo, mesmo vindo de você, eu queria que aquela frase tivesse sido dita com verdade. 
É, hoje eu sei que eu não te queria, mas queria o sentimento que você trazia consigo e que não era por mim, hoje eu tenho certeza. Não sinto mais raiva, mágoa nem ressentimentos. Já passou, não é?! Foi um incidente que veio em uma boa hora e eu fiz drama depois do rompimento sim, foi idiota da minha parte na verdade, como uma criança birrenta que mesmo não brincando com tal objeto quando o vê em outras mãos chora e grita para tê-lo de volta.
Eu não TE superei, por que sendo sincera, eu nunca realmente senti algo completo por você. Eu superei o querer ter aquele sentimento que eu tanto suspiro por aí. E eu sinto uma ponta de inveja, sabe?! Não, algo parecido com isso mas não necessariamente inveja, e dela. É, dela. Por que ela tem o seu amor, alguém que realmente a ama e que vai atrás por que a quer por perto, de qualquer maneira; e bom, eu não tenho isso. Mas não me entenda errado, eu não quero que você faça isso por mim, eu queria que alguém sentisse isso por mim. E ela tem isso, ela sempre, no fundo, teve você. Eu não. Mas eu não te queria muito, já disse, eu queria o que você sentia.
Bom, eu sorrio pra você e desejo que seu amor não te dê grandes decepções e não te faça infeliz por muito tempo. Acredite, estou sendo sincera. E peço desculpas pelo meu dramalhão mexicano desnecessário. É só essa mania de querer sentir demais que me consome às vezes.

17 outubro 2012

Resenha - Selvagens

Nome: Selvagens
Original: Savages
Autor(a): Don Winslow
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Submarino - Compare preços
Sinopse: Ambientalista e filantropo nas horas vagas, Ben comanda um negócio de venda de maconha em Laguna Beach. Ao lado de seu parceiro, o ex-mercenário Chon, ele fatura lucros consideráveis e mantém uma clientela fiel. No passado, quando seu território foi invadido, Chon tratou de eliminar a ameaça. Agora, porém, eles parecem estar diante de uma força da qual não podem dar conta: o Cartel de Baja, do México quer tomar a região e avisa que não irá aceitar uma negativa como resposta. Quando os dois amigos se recusam a recuar, o cartel reforça a advertência sequestrando Ophelia, companheira e confidente dos rapazes. O sequestro deflagra uma gama alucinante de negociações habilidosas e reviravoltas inacreditáveis, que deixarão os leitores ansiosos para descobrir o custo da liberdade e o preço de um grande barato. Uma engenhosa combinação entre o suspense carregado de adrenalina e a reportagem policial, Selvagens é um thriller alucinante, escrito por um mestre do gênero no auge de sua carreira.

Quando solicitei Selvagens de cortesia para a editora já sabia que seria uma leitura diferente, mais 'pesada' já por ter lido a sinopse, mas queria algo diferente mesmo e não me decepcionei com a escolha. Por mais que esse tipo de livro não traga um enredo que sempre me atraia ou que esteja entre os meus preferidos, a leitura foi muito boa, de um livro muito inteligente.

Ben e Chon são grandes amigos, compartilham o amor de O., na verdade, Ophelia. Eles são jovens, ricos, e tem personalidades diferentes: Ben o pacifista, o zen, o budista. Chon, ex-mercenário, cara de poucos amigos e que tem uma filosofia muito mais simples do que Ben. E O. a garota com tatuagens de golfinho, que não recebe aprovação e atenção de Rupa, Rainha do Universo Passiva-Agressiva, sua mãe, que não se chama assim na verdade. Eles, Ben e Chon, estão no mercado da venda de maconha, mas uma maconha diferente das demais, produto bom já que Ben é biólogo e entende do assunto; mas agora precisam enfrentar o Cartel de Baja, do México que pretende fazer 'negócios' com os dois e caso não ocorra um acordo, cabeças irão rolar. Literalmente.

Coisas ruins vão acontecer, a questão é saber quando. Deveriam bordar isso na bandeira.

Selvagens tem um enredo simples, mas com personagens nada superficiais e uma narração também nada superficial. A narração na verdade é bem simples, fora as referências que é contida ao longo da trama, que me deixou algumas vezes confusa por não entender, mas no geral, a narrativa é simples contendo muita informação, meio paradoxal?! Talvez.

Ao longo da narrativa conhecemos mais de cada personagem envolvido e também sobre o ambiente em volta deles. O autor parece nos explicar de uma forma bem humorada e várias vezes sarcástica a forma como tudo ali funciona. Em relação à venda de drogas, ao Cartel, ao negócio de Ben&Chon, à fronteira, ás diferenças entre americanos e mexicanos e nos faz ter uma leitura mais aprofundada sobre tudo isso, fazendo-nos ver de perto o que pode e está errado nisso tudo.

Não é um livro leve, mas em algumas partes é até divertido. Por incrível que pareça, no meio disso tudo, ainda encontramos 'romance', de um jeito diferente, claro. As reviravoltas em relação ao sequestro e ao o que os dois amigos precisam fazer para resgatar O. das mãos do Cartel é o ponto alto da trama e a apreensão é grande para saber como tudo isso irá terminar.

Enfim, Selvagens é mais do que recomendado a quem quer uma leitura diferente, inteligente e com ação, não de um filme hollywoodiano clichê. A edição está perfeita, a editora não deixa erros ortográficos e a capa com o cartaz do filme facilitou a leitura na hora de imaginar alguns personagens, não todos, claro. Dou ênfase à narração mais uma vez, é diferente de uma forma muito boa.
É um livro selvagem, sobre selvagens

16 outubro 2012

Promoção - Feita de fumaça e osso


Pra quem leu a resenha do livro sabe que gostei e muito e a querida editora parceira Intrínseca liberou a promoção de Feita de fumaça e osso pra vocês! Espero que gostem e participem.

REGRAS:
- Seguir o blog via GFC.

a Rafflecopter giveaway

AVISOS:
- O vencedor tem até 48h para responder o e-mail de contato.
- A editora enviará o livro.

Boa sorte a todos!

14 outubro 2012

Resenha - Feita de fumaça e osso

Nome: Feita de fumaça e osso
Original: Daughter of Smoke and Bone
Autor(a): Laini Taylor
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Submarino - Saraiva - Compare preços
Sinopse: Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu.Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo.O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.

Feita de fumaça e osso não é só um mero livro bom com um tema sobrenatural e um romance embutido. Ele é extraordinariamente rico em seus detalhes e Laini Taylor tem uma criatividade que deixa qualquer leitor de boca aberta.

Karou é uma estudante de artes que guarda consigo alguns segredos. Seu cabelo azul que diz num tom irônico ser natural e suas tatuagens ao longo do corpo na verdade são frutos de desejos. Em seu caderno de desenhos que parece ser admirado pelos seus colegas estão criaturas fantásticas: Issa, serpente da cintura para baixo e mulher da cintura para cima, Twiga e seu pescoço de girafa, entre outros. Zuzana, sua melhor amiga nem desconfia de que essas criaturas são na verdade, reais.

Karou foi criada por quimeras, 'monstros' que tem partes do corpo de animais e outras partes humanas. Inocente, Karou não sabe por quê foi criada por eles, só sabe que eles são sua única família. Ela 'trabalha' para Brimstone, comprando dentes em várias partes do mundo para ele vender a outros na realização de desejos, através de portas ela pode ir a qualquer lugar que a mandarem; mas marcas de mãos começam a aparecer em cada uma delas, a queimadura deixando a marca de um outro ser, de outros seres, os inimigos.

Esperança? A esperança pode ser uma força poderosa. Talvez não haja magia real nele, mas quando você sabe o que mais deseja e mantém isso acesso como uma chama dentro de si, pode fazer as coisas acontecerem, quase como mágica.

Não quero só falar do enredo aqui, até por que ele é meio complexo de tantas descrições e estórias dentro da estória geral que não poderia escrever nem parte disso tudo aqui. Feita de fumaça e osso não é só um livro sobre magia e um mero romance entre dois seres diferentes como já disse. Não cai no clichê que vemos muito em outros livros pela originalidade da autora com o enredo. A leitura desse livro flui tão bem e os personagens me cativaram tão rápido que demorei um pouco para desfrutar da estória. Karou, a garota de cabelo azul, diferente, ingênua mas não tão vítima assim. Zuzana, sua melhor amiga que mesmo sem saber para onde Karou vai quando sai para suas missões, a compreende. E claro, Akiva, o outro lado da estória, o 'mocinho' que não é tão bom assim.

Talvez essa resenha não fique muito clara, mas essa leitura foi tão diferentemente boa que minhas palavras talvez sejam poucas para descrever. A narração é em terceira pessoa mas não faz com que a aproximação com os personagens não aconteça, pelo contrário. A edição está perfeita, sem erros ortográficos, páginas amareladas e uma capa linda, que tem tudo a ver com a estória. Adentramos num mundo totalmente diferente quando lemos Feita de fumaça e osso e recomendo e muito a todos os amantes de literatura fantástica, com uma trama que vai prender sua atenção do início ao fim.

12 outubro 2012

Filmes de criança

Hey! Faz um tempo que não venho aqui postar sobre filmes, com esse feriado, deu pra elaborar um bom post e vim colocar alguns filmes de/para/sobre crianças que não só crianças devem e podem assistir, mas todos nós, que temos dentro de nós um pouco de ser criança também podemos nos deliciar e nos divertir com eles ♥ Vamos à lista?!

Scooby Doo

Na verdade aqui não colocarei um filme só do Scooby Doo, todos os filmes dele são recomendáveis, os filmes em em desenho animado ou não. Eu simplesmente AMO Scooby Doo, paro meu dia pra assistir, confesso. Tem vários filmes, nesse link podemos ver uma lista grande de vários filmes, além do desenho animado que passa sempre na TV *_*

Coraline e o Mundo Secreto

Coraline (Dakota Fanning) é uma menina triste em sua nova casa, sempre aborrecida por causa dos vizinhos estranhos que a rodeiam. Um dia, então, descobre que atrás de uma parede de seu quarto há uma porta secreta para um outro mundo, com uma outra mãe e um outro pai - e numa versão muito melhor de sua vida. Coraline terá agora de decidir se deseja permanecer para sempre nesse lugar mágico. +

Kit - Uma garota especial

Quando os negócios do pai de Kit Kittridge (Abigail Breslin), uma garota de nove anos, não vão bem, ele perde tudo e é obrigado a ir embora em busca de trabalho. Para manter a casa, Kit e sua mãe transformam-na em uma pensão, recebendo hóspedes que devem ter histórias fascinantes. Mas, quando o cofre no qual sua mãe guardava todas as economias é roubado, o novo amigo de Kit, Will, um hobo – trabalhador desempregado – é o primeiro suspeito. No entanto, Kit se recusa a acreditar que Will tenha roubado e seus esforços para desvendar a verdadeira história colocarão, tanto ela quanto seus amigos, em uma grande encrenca. A polícia acredita que o roubo foi cometido por algum conhecido, então, se não foi Will, quem terá sido? +

Anastasia

Baseado em uma história verdadeira e trazido às telas com uma fantástica animação e com as vozes de Meg Ryan, John Cusack, Kelsey Grammer, Hank Azaria, Christopher Lloyd e Angela Lansbury, Anastasia é um épico em ação de tirar o fôlego e uma trama cheia de intrigas que certamente cativará toda a família. Uma encantadora mistura de aventura, romance, comédia e musical, este aclamado espetáculo da animação conta a história de uma princesa russa perdida, Anastasia, e de sua inacreditável luta para descobrir sua verdadeira identidade. Quando a sombra da revolução atinge a Rússia, Anastasia, a filha mais jovem da família real, consegue escapar com vida. Anos mais tarde, ela encontra o belo, charmoso e confiável Dimitri. Mas, ao partirem para Paris em busca do legado de direito de Anastasia, eles têm que enfrentar uma incrível batalha contra o malvado monge Rasputin e seu ajudante inseparável, Bartok, o morcego. Faça parte dessa aventura mágica e embarque em uma busca inesquecível para solucionar o maior mistério do Século XX. +

Diário de um banana

A adaptação ao cinema da série de HQs Diário de um Banana (Diary of a Wimpy Kid), de Jeff Kinney.
A produção da Fox 2000 conta a sofrida história de Greg Heffley (Zachary Gordon), um garoto que tem que enfrentar o maior desafio da vida de todos os garotos: sobreviver ao ensino fundamental. As maneiras peculiares que Greg encontra para lidar com valentões e conquistar sua popularidade no colégio ajudaram a fazer o sucesso da HQ, indicada ao Harvey Awards 2008. +

Jumanji

Em 1869, dois garotos apavorados enterram um baú e, cem anos depois, o filho de um empresário descobre que dentro dele há um jogo chamado Jumanji.
Quando começa a jogar com uma amiga, ele logo é penalizado a ficar na floresta até que alguém tire cinco ou oito.
Como na jogada seguinte ela é atacada por morcegos, em virtude de seu posicionamento no tabuleiro, o jogo é interrompido e ele imediatamente fica preso dentro de Jumanji.
Mas, vinte e seis anos depois, duas crianças começam a jogar e uma acaba libertando-o.
Porém, a única forma de deixar tudo como antes é terminar a partida, mas para isto é preciso achar a participante da partida de 1969.
Juntos eles enfrentam perigos, que surgem a cada jogada, e enquanto o jogo se desenrola a cidade se transforma em um caos, pois animais selvagens, plantas assassinas e até um caçador de pessoas saem do tabuleiro e vão permanecer enquanto o jogo não findar. +

Lembrando que elaboro listas de filmes que não são muito conhecidos por aí, pra não cair na mesmice e em filmes que já assisti e gostei, digo isso por que tem vários outros filmes e animações que amo assistir super conhecidos, como Madagascar, A era do gelo, Shrek, além dos filmes clássicos da Disney que assistia sempre na TV *_* Minha infância foi muito em frente a TV, confesso, e aqueles filmes de sessão da tarde preencheram várias tardes em casa. haha' Anastasia fez parte da minha infância, chorava e tudo no final, sempre amei esse desenho, e Jumanji, quem via quando menor?! Eu amava também! Enfim, estou nostálgica agora depois desse post. Me digam se gostaram da lista de hoje, se já assistiram algum dos filmes e quais os filmes mais marcantes da sua infância?!
Ah, pra quem perguntou sobre que curso irei concorrer no vestibular, será Letras - Português, na Estadual e Federal de Belém :} 

08 outubro 2012

Resenha - Belle

Nome: Belle
Autor(a): Lesley Pearse
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Saraiva - Fnac - Livraria Cultura
Sinopse:  Londres, 1910. Belle, de 15 anos, viveu em um bordel em Seven Dials por toda sua vida, sem saber o que acontecia nos quartos do andar de cima. Mas sua inocência é estilhaçada quando vê o assassinato de uma das garotas e, depois, pega das ruas pelo assassino para ser vendida em Paris. Sem poder ser dona de seu próprio destino, Belle é forçada a cruzar o mundo até a sensual Nova Orleans onde ela atinge a maioridade e aprende a aproveitar a vida como cortesã. A saudade de casa — e o conhecimento de que seu status como garota de ouro não durará muito — a leva a sair de sua gaiola de ouro. Mas Belle percebe que escapar é mais difícil do que imaginou, pois sua vida inclui homens desesperados que imploram por sua atenção. Espirituosa e cheia de desenvoltura, ela tem uma longa e perigosa jornada pela frente. A coragem será suficiente para sustentá-la? Ela poderá voltar para sua família e amigos e encontrar uma chance para a felicidade? Autora # 1 bet-seller, Lesley Pearse criou em Belle a heroína de nossos tempos: uma mulher forte que luta por seus direitos em um mundo perigoso.

Olhando para a capa e lendo rapidamente a sinopse de Belle pensei que seria um romance histórico, o que eu amo, mas o livro além de surpreender na quantidade de páginas, também me surpreendeu na narrativa, o enredo não tem nada muito romântico, mas não diminui a sua qualidade.

Belle mora num bordel, sua mãe, Annie, é a dona dele e Mog, a criada é praticamente quem cuida e cria de verdade a jovem menina de 15 anos. O caso é que Belle não sabe exatamente o que é um bordel, não sabe o que as meninas que também moram lá realmente fazem para sobreviver. Num certo dia, Belle está fazendo seu passeio matinal de todos os dias quando encontra Jimmy, o sobrinho do dono de um bar ali perto, e ali começa uma amizade. Mas no mesmo dia, Belle após uma limpeza na casa ajudando Mog, acaba dormindo no quarto de uma das meninas e quando acorda, já sendo de noite, presencia o que realmente as meninas do bordel fazem para sobreviver e além disso, presencia o assassinato de Millie.

A partir daí a vida de Belle muda completamente. Ela é testemunha do assassinato e o homem que matou Millie é muito mais do que perigoso. Ele acaba a sequestrando e Belle começa a vida que sua mãe nunca quis que ela tivesse, presenciando e vivendo acontecimentos indignos e absurdos.

A narrativa desse livro não é nada leve, pelo contrário, desde a primeira cena já podemos perceber que as cenas explícitas de sexo estarão contidas no livro, além das cenas de agressão física e verbal. O livro conta não só o que Belle sofreu, viveu e o que sua família, Mog e Anne, além de Jimmy e até Gorth, o tio dele, sofrem pelo desaparecimento da menina, mas também as descobertas dela, o lado cru da vida de quem trabalha em bordéis. Viajamos na estória de meninas que foram sequestradas e obrigadas a se prostituirem, algumas sendo abusadas fisicamente no início, como Anne e Belle é, outras que só conseguiam sair dessa vida indo morar com algum cliente rico e disposto a lhe sustentar. 

O livro traz uma longa estória, envolvendo vários personagens e um desfecho realista, nada surreal que me satisfez muito. Vale ressaltar novamente que as descrições do ato sexual estão muito presentes, mas isso é mais um elemento para tornar essa estória um pouco mais próxima do real. Viajamos não só no tempo, mas na América, na França e na Inglaterra do século XX, trazendo um lado da história que não vemos muito por aí.

No final do livro temos uma breve explicação sobre como Lesley o escreveu, de onde veio a inspiração e as pesquisas que ela fez, outro ponto que me interessou e achei muito bom comentar. Enfim, não lembro de erros ortográficos, o livro contém 560 páginas mas que parecem menos enquanto lemos. Recomendo para quem quer ou gosta de ler estórias fictícias mas próximas do real que nos angustia e ao mesmo tempo nos toca.

Heeey, só um aviso: Estarei demorando para responder os comentários dos posts, as provas dos vestibulares estão chegando e preciso ficar menos tempo por aqui, espero que me entendam e não deixem de visitar o blog ><

05 outubro 2012

Strange Attractor


Ele tinha olhos pequenos, pequenos e inexpressivos, era um mistério saber o que aqueles olhos queriam dizer ou se diziam alguma coisa. Seu sorriso tímido me hipnotizava, não conseguia entender do por quê aquele sorriso em específico era como um ímã que me atraia toda vez que o via ou sentia sorrir perto de mim. Seu cabelo meticulosamente desgrenhado era uma tentação que chamava minhas mãos para tocá-lo, bagunçá-lo para puxá-lo pra mais perto de mim enquanto estaríamos de rostos colados.
Ele me viu o encarando, estava tão absorta que nem reparei e depois de alguns segundos percebi que ele me fitava de volta, exatamente com aqueles olhos negros e profundos e seu sorriso torto. Logo tive vontade de sorrir, ele tinha esse poder sobre mim; só de lembrar o seu nome ou sua imagem vir à memória, um sorriso largo queria se abrir em meu rosto. 
- O que você tanto olha pra mim?! - Ele diz.
- Não é nada - Eu tento disfarçar minha admiração olhando para o chão, para o teto, para o outro lado, mas ele levanta meu rosto delicadamente com seus dedos para encará-lo.
- Você sabe que eu fico sem jeito quando alguém me encara assim.
- Desculpe, não foi minha intenção te deixar envergonhado.
- Tudo bem, me sinto estranhamente querido quando você passa um tempo me encarando.
- Como assim? Eu fiz isso mais de uma vez?!
- Aham, várias vezes; não tinha percebido isso?
- Não!  - Fiquei assustada com essa descoberta, ele com certeza deveria me achar louca ou no mínimo esquisita. - Você deve com certeza me achar esquisita por eu fazer isso não?!
Ele me deu um leve beijo na boca e abrindo um sorriso com seu rosto colado ao meu, disse:
- Claro que não, eu faço o mesmo com você, mas consigo ser mais discreto. 
E nós dois rimos. 
Inevitável não sentir aquele calafrio quando eu estava bem junto á ele, inevitável não querer sorrir quando o via vindo em direção a mim; nós nos tornamos confidentes, amantes, companheiros e eu ainda o sentia como aquela paixão platônica que nutria meus sonhos quando ainda nem nos conhecíamos, por que só bastou um olhar para eu me apaixonar por aqueles olhos.

The light in your eyes
A luz em seus olhos
Well, it's pulling me in
Bem, ele está me puxando
Yeah, it's pulling me in
Sim, ele está me puxando
A heart that's still speeding up
Um coração que ainda está acelerando
And it's coming again
E está vindo novamente
Yeah, it's coming again
Sim, ele está vindo novamente
How did it happen?
Como isso aconteceu?
How did it come?
Como se chegou?
'cause it's taking me over
Porque está tomando conta de mim ♫
Strange Attractor - Animal Kingdon

Texto sem grandes propósitos, foi só mais um momento de inspiração em altas horas da noite; talvez eu esteja sendo influenciada por Diário de uma paixão (estou lendo agora, finalmente ♥) ou pela própria música,  de uma banda desconhecida por mim, está na trilha sonora de The secret circle e que coloquei no título do post,enfim, espero que gostem e não se enjoem desses meus posts mais doces e sutis. rs

03 outubro 2012

Resenha - Resposta Certa

Nome: Resposta Certa
Original: Starter for Ten
Autor(a): David Nicholls
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Saraiva - Submarino
Sinopse: O ano é 1985. Brian Jackson, com uma bolsa de estudos e ótimas notas, acaba de entrar para a universidade. E parece que finalmente conseguirá realizar um antigo sonho: aparecer em um popular programa de perguntas e respostas na televisão, onde poderá demonstrar todo o seu repertório de cultura geral. Após entrar para a equipe da faculdade e passar pela fase classificatória, Brian se prepara para seu primeiro embate televisivo, ao mesmo tempo em que se vê apaixonado por uma de suas colegas de time: a linda, inteligente e assustadoramente elegante Alice Harbinson. Quando Alice se recusa a ceder aos encantos ligeiramente ansiosos de Brian, ele aparece com um plano infalível para conquistar o coração de sua amada de uma vez por todas. Ele vai ganhar o jogo. A qualquer custo. Porque, afinal, todos sabem que o que uma mulher realmente procura em um homem é uma vasta gama de conhecimentos gerais...

Logo após eu ter lido Um dia, desejei que outro livro do David Nicholls fosse publicado aqui no Brasil e não demorou muito para isso acontecer; assim como Um dia, Resposta Certa tem um enredo diferente do que podemos pensar e a narrativa do David novamente não me decepcionou.

A premissa é simples: Brian Jackson está prestes a fazer 19 anos e agora está indo para a Universidade pública cursar Literatura inglesa; é uma nova vida, uma nova rotina, vai conhecer novas pessoas, estudantes cultos como ele e com quase os mesmos pensamentos. Além disso, ele nutre o sonho de participar do Desafio Universitário, um programa de perguntas e respostas com estudantes universitários que é transmitido na TV e que ele costumava assistir com seu pai, já falecido. Brian quer participar por que imagina que para seu pai seria um orgulho seu filho ali, respondendo as questões certas em frente a milhões de espectadores.

Mas Resposta Certa não se resume só a nova experiência de um 'nerd' que acha que já é um adulto maduro por fazer 19 anos e que está perdidamente apaixonado por Alice, a garota popular, rica e linda que ele conheceu numa festa. Brian é descrito como aquele típico nerd que vemos em filmes: esguio, com um estilo vintage, cheio de espinhas e que não tem uma certa noção do quanto fica ridículo dançando. Ele costuma beber com os amigos, aliás, costuma beber muito e ao longo do livro vemos as suas mudanças, não exteriormente, mas como pessoa.

O que me irritou foi a fascinação por Alice, estava explícito que ela não se sentia atraída por ele e que não tinha possibilidades deles ficarem juntos, mas Brian faz de tudo para conquistar Alice e tê-la para si. Além disso, Brian se gaba dos seus conhecimentos, algumas vezes ele mesmo se pergunta se toda a inteligência que ele demonstra é verdadeira ou só 'fachada' para parecer inteligente. O caso é, ele esquece de tudo e de todos, até dos seus princípios, por causa de Alice. 

Mas o ponto forte do livro é o humor, um humor inteligente, sarcástico e ás vezes ridículo, por causa de Brian. É meio previsível o final, no quesito romance, mas o clímax não foi o que eu esperei, mesmo assim, gostei. Acredito que nem todos irão gostar da leitura de Resposta Certa, não é cheia de aventuras ou com um grande romance de tirar o fôlego, é diferente mas de uma forma calma e divertida e o humor é aquele humor 'cult' que nem todo mundo entende mas o livro também tem uma mensagem bem interessante em torno dele, sobre ser inteligente não ser suficiente para conviver e viver bem e a narrativa é em primeira pessoa, então você se sente mais próxima do personagem. A diagramação está ótima, encontrei alguns erros mas foram poucos, recomendo aos fãs de Um dia, de narrativas divertidas e diferentes.

01 outubro 2012

XVI Feira Pan Amazônica do Livro


Diferente dos outros anos, esse ano fui à Feira do livro daqui de Belém - PA (Não, não sou índia nem ando de canoa u.u) e resolvi postar sobre isso. Há 3 anos seguidos vou a Feira, mas nos outros anos não era tão inteirada nesse universo literário atual, conhecia basicamente mais os livros clássicos nacionais. E como os outros anos, não vi preços tão em conta assim, infelizmente, nem os livros que não eram lançamentos estavam baratos. O que acabou me fazendo comprar menos do que queria, por que se for pra comprar um livro com o mesmo preço ou mais caro do que se eu fosse comprar em uma livraria virtual, eu prefiro comprar na livraria virtual. 


Mas essa feira teve o seu diferençal. Além d'eu não ter ido no penúltimo ou último dia (que é quando há uma multidão te espremendo e fazendo com que você queira sair dali o mais rápido possível), a organização e os eventos estavam muito bons. Teve Martha Medeiros, Luís Fernando Veríssimo, Maurício de Souza e outros atores paraenses em encontros literários; também teve oficinas e programas educacionais infantis. Além de todo o Hangar estar rodeado por obras de arte ou painéis sobre o tema da feira, Portugal. 
A Feira estava completa em relação aos clássicos nacionais, os livros mais baratos por lá, além de também oferecer revistas de História e de outros assuntos bem baratos também, pra quem foi à procura desses gêneros literários com certeza pôde aproveitar bem mais nos preços.
Mas vamos ao que interessa, vamos ver minhas aquisições:

29 setembro 2012

Resenha - Starters

Nome: Starters
Autor(a): Lissa Price
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Saraiva - Livraria Cultura - Fnac
Sinopse: Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado...

Starters foi um livro que vi muito sendo comentado no Twitter por blogueiros que já sabiam da existência dele há tempos (diferentemente de mim) e que estavam ansiosos para o lançamento pela Novo Conceito. É uma distopia que eu tinha grandes expectativas pelos elogios que li à ele, mas que de uma certa forma, o livro não correspondeu à essas expectativas.

Callie é uma adolescente que vive com seu irmão, Tyler, e Michael, um amigo que após a guerra dos Esporos (Grande acontecimento que dizimou pessoas entre 20 e 60 anos), Callie e Tyler perdendo seus pais e não podendo morar em sua casa sendo órfãos e menores de idade, vivem fugindo dos inspetores e se abrigando a prédios e locais abandonados, regrando água e comida. Com Tyler doente e depois de um incêndio no prédio onde estavam abrigados, Callie procura a Prime Destinations, uma empresa que aluga corpos informalmente para Enders (Velhos com ou mais de 100 anos). O que Callie não previra era que o sistema de aluguel não era só informal como envolvia futuros planos para com os jovens iguais à ela, planos não muito bons.

A leitura de Starters demorou a fluir, confesso. Não vi muita ação no decorrer da leitura e não me vi envolvida completamente com a estória, se não, teria terminado o livro em bem menos tempo, como já perceberam, quando me envolvo na estória, a leitura flui muito rapidamente. É uma distopia angustiante, esse é o termo certo, a cada nova cena, novo fato ficava apreensiva com Callie, com o que poderia acontecer com ela e sempre desconfiando de que algo pior poderia acontecer, algo que se confirmou na leitura.

Mas nos capítulos finais do livro o enredo toma um rumo mais interessante, mais perigoso;  você quer saber o que irá acontecer, como tudo irá terminar, como Callie irá agir, o que acontecerá se ela confiar em um ou outro. E vi os outros personagens serem bem abordados, muito bem descritos e o final... O final é aquele final que você pensa ter terminado tudo soltando um suspiro de satisfação mas quando lê as ultimas páginas algo (que eu particularmente desconfiei, mas de uma forma errada) inesperado acontece, algo que faz você despertar para aquela dúvida deixada ali e que com certeza te instiga a ler a continuação.

No mais, o trabalho da Novo Conceito ficou maravilhoso com essa capa que tem muito a ver com a estória, as páginas amareladas facilitam a leitura e apesar d'eu não ter achado os capítulos curtos, a leitura flui. Como disse no começo, minhas grandes expectativas não foram atendidas, esperava que a leitura fluísse mais, mas talvez o problema tenha sido eu por estar num momento sem grande disposição á leitura e não o livro, enfim. Claro que recomendo livro aos curiosos e aos amantes de distopia.

27 setembro 2012

O jeitinho brasileiro malandro de ser


Brasileiro costuma muito criticar os políticos no governo, a frase mais dita, arrisco a dizer, é: 'Eles são todos ladrões'. Sim sim, nossos políticos, a maioria pelo menos, se houver uma exceção deve ser minoria, nos roubam de todas as formas possíveis. Mas será que todo brasileiro pode condenar esses políticos por roubo/furto?!
Todos já ouviram falar do jeitinho brasileiro, aquele jeitinho de conseguir coisas através de meios não muito lícitos, algumas vezes nada lícitos e de uma maneira bem mais fácil se fosse em busca da maneira correta.
É o jeitinho malandro do brasileiro de ser, que alguns se orgulham de praticar, que outros até querem disseminar  para os amigos para seguirem o mesmo caminho, o caminho fácil que não exige muito trabalho, é esse jeitinho que me faz odiar a grande parcela do povo brasileiro que o pratica.
A diferença entre um ladrão que assalta um banco e um cidadão que encontra uma carteira ou um celular de outrem e não devolve ao dono é só a arma que é usada pelo primeiro e a 'coragem' de dar 'a cara a tapa' num assalto à mão armada. O indivíduo reclama dos políticos corruptos, mas utiliza gratuitamente a internet do vizinho, faz ligação clandestina com a energia elétrica da sua casa ou até tenta burlar alguns procedimentos para obter alguma coisa. É o tal brasileiro malandro... A cara do país: O brasileiro que ama um futebol, bebe cerveja com os amigos no churrasco aos fins de semana e consegue tudo o que quer da maneira mais fácil possível sem ter que levantar a bunda do sofá.
É essa imagem que com certeza os estrangeiros tem de nós (infelizmente, eu também, mas sei que existem aqueles honestos e dignos de confiança) e é essa imagem e a pessoa que a concretiza, que eu tenho desprezo. 
Se eu tenho orgulho de ser brasileira?! Desculpa, mas não, pelo menos não totalmente. Não conheço  nem verdadeiramente nem totalmente a nossa cultura, e tão pouco costumo apreciá-la em sua totalidade. Se eu tenho orgulho do nosso país? Talvez. Nosso país (fisicamente falando) é lindo e traz uma história muito rica em suas antigas sociedades, mas essa história é carregada de mentiras, de falsas ideologias e heróis, de malandros e corruptos que eternizaram o tal 'jeitinho brasileiro'.
Eu prefiro demorar a conseguir o que eu quero, enfrentar 'n' dificuldades para tal do que ter que me igualar aos malandros existentes na sociedade brasileira. Não pregando um puritanismo falso; só que eu fui educada assim e agradeço por isso, nada melhor do que ir pelas vias honestas e ter razão naquilo que fala ou faz.
O brasileiro malandro nada mais é do que um ladrão disfarçado.

26 setembro 2012

Conheça: Lagoena


Finalmente venho apresentar a vocês essa série que já está sendo bastante divulgada por aí, pelo menos, nos blogs literários e que merece, pois pelo que vi e li, é muito boa mesmo. A Laísa, autora de Lagoena entrou em contato comigo e claro, aceitei a divulgação de um trabalho bom e nacional, então vamos conhecer mais sobre Lagoena? ><

"No dia 4 de outubro estreou a série literária Lagoena, no site BookSérie (www.bookserie.com.br). A obra de ficção fantástica publicado em formato de série virtual é o primeiro romance da autora Laísa C., influenciada pelas obras clássicas de fantasia, contos de fadas e lendas locais que conhecia desde criança esboçou os primeiros capítulos da obra com o intuito de apresentar aos leitores uma idéia original e mágica como encontrou em tantos outros autores que admira.
Lagoena é apresentada ao leitor por temporadas e episódios. A primeira temporada intitulada A Terra Secreta tem 14 episódios completos, a segunda, A Pequena Guardiã, estreou dia 7 de fevereiro. Hoje, a série virtual tem duas temporadas expostas na íntegra. O site BookSérie disponibiliza um episódio por dia para leitura que é online e totalmente gratuita."

Conheça a sinopse da obra:
“Rheita era a única neta de um joalheiro falido. Seu pai havia desaparecido antes da menina nascer e sua mãe falecera no parto quando lhe dera à luz. Morava num país pequeno e isolado, muito ao norte, conhecido como Reino do Vinagre, numa época em que os lampiões ainda iluminavam as ruas de tijolos.
Ainda em luto e rancoroso, Dordi Gornef, o velho joalheiro, por 10 anos mantinha em segredo uma grande descoberta: o significado da marca de um S que Rheita carregava na palma da mão. A menina, desde recém nascida, fora educada a usar uma luva na mão direita, para esconder um suposto defeito de nascença dos olhares curiosos...
Porém, num certo dia, os esforços do joalheiro para manter o segredo não foram mais úteis. Rheita, que se tornou uma menina muito curiosa e inteligente, acabou encontrando um misterioso Mapa Mágico no abandonado quarto da falecida mãe e desde estão resolveu descobrir o que ele escondia, pois suspeitava que o desaparecimento do pai houvesse relação com o artefato mágico. A partir desse momento, sua vida fica totalmente ligada a ele e através de um chamado do destino Rheita e seu mais novo amigo, Kiel, embarcam numa aventura repleta de segredos ainda maiores, para além de outro mundo, para LAGOENA, A Terra Secreta que corre um grande risco de não mais existir, cabendo à menina salvá-la e proteger o tesouro do mapa da cobiça de um imperador amaldiçoado.”


Pra quem já conhece e pra quem não conhece ainda, o que acharam de Lagoena? ><

24 setembro 2012

Playlist: Saga Twilight


Volto com mais uma playlist que acho eu que pode causar estranheza por parte de algumas pessoas que torcem o nariz quando ouvem falar dessa saga, tanto em relação aos livros como aos filmes. Mas vamos parar de tolice (como diz um professor meu) e com o preconceito por volta de Crepúsculo, por que até pessoas que podem não gostar da saga admitem que a trilha sonora dos filmes é impecável. Resolvi colocá-la aqui por que é a trilha sonora que está embalando meus dias atualmente, então nada melhor do que trazer ao blog algumas músicas que amo.
Eu na época do 'boom' de Crepúsculo fui atrás de todas as informações possíveis sobre os filmes, livros, atores, etc e nessa busca incessante acabei baixando a trilha sonora do primeiro filme, foi aí que começou minha paixão pela trilha sonora da saga e através delas que descobri vários artistas que conheço e amo. Enfim, sem preconceitos, vamos à playlist:

Saga Twilight by Jeniffer on Grooveshark

Nessa playlist tem as principais músicas que me agradam de todas as trilhas sonoras de todos os filmes já lançados, até música de Amanhecer parte 1, tem. Confesso que a trilha sonora que eu dou preferência é a de New Moon, é a mais depressiva sim, por conta da separação de Bella e Edward, mas elas encaixam perfeitamente ao filme e à mim, algumas vezes ♥ Essa playlist é bem alternativa, fora Paramore e Muse que talvez sejam os mais conhecidos, os outros artistas não são tão conhecidos assim, nem coloquei A thousand years da Christina Perri e It will rain do Bruno Mars por que acredito que estão bem encravados na galera já que tá tocando sempre por aí. Enfim, espero que gostem, que ouçam e me digam se já conheciam essa trilha sonora, se gostaram ou não!

22 setembro 2012

Resenha - A última casa da rua




Nome: A última casa da rua
Original: House at the End of the Street
Autor(a): Lily Blake, Lily Blake, David Loucka e Jonathan Mostow
Editora: iD
Onde comprar: Saraiva - Outros
Sinopse:No livro, os autores Lily Blake, David Loucka e Jonathan Mostow contam a história da jovem Elissa e sua mãe que, em busca de uma nova vida, encontram a casa dos sonhos em uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos. A cidade tem um mistério. Um assassinato aconteceu bem na casa ao lado.
Uma garota matou os pais de forma brutal e desapareceu. Hoje, quatro anos depois, apenas Ryan, o misterioso irmão mais velho, mora sozinho naquela mesma casa, sombria e esquecida no tempo. Indo contra tudo e contra todos, Elissa acaba se envolvendo amorosamente com o estranho rapaz. O que ela não sabe é o quão perigoso esse jogo pode se tornar…

Não espere ver adolescentes sendo perseguidos por forças sobrenaturais ou um desfecho daqueles que já “sacamos” ainda na metade do livro. A trama é criativa, com muitos “não acredito!” pelo meio do caminho. E a sequência final é de tirar o fôlego, com muita ação.

Antes de sentir o medo… Antes de conhecer a dor… É preciso voltar para onde tudo começou.

“A Última Casa da Rua” chega aos cinemas esse ano. O filme é protagonizado por Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes) e Max Thieriot.

A última casa da rua me intrigou desde a sua sinopse até a capa, mesmo já sendo relacionada ao filme(trailer aqui) que ainda será lançado aqui no Brasil, dia 7 de dezembro.

Elissa e Sarah são filha e mãe, respectivamente, que moram juntas mas não mantém um bom relacionamento. Os pais de Elissa viviam brigando, até que num certo momento, seu pai, um músico de uma banda indie saiu de casa e atualmente vive em turnê com ela, sem dar notícias.

Elas mudam-se para uma casa num interior, diferente de onde moravam antes, num apartamento pequeno dentro de um bairro perigoso, Sarah tem esperanças de que a relação com sua filha mude positivamente agora e Elissa também acha que algumas coisas poderão dar certo. Mas há um casa ali perto, que traz uma história aterrorizante de Carrie Anne, a garota problemática que matou seus pais há alguns anos atrás e essa casa hoje é habitada pelo irmão dela, Ryan.

Esse livro é bem curto e foi baseado em um filme, então, antes de mais nada o enredo não é tão aprofundado assim, dá pra perceber durante a leitura que parece mais ou menos um roteiro de um filme, as cenas sendo descritas e algumas ações ocorrendo rapidamente. Mas não por isso deixarei de dizer que gostei da leitura.

Acredito que o único defeito foi a falta de profundidade em cada personagem, mas o enredo em si é bom, ele te prende desde o começo; a estória é um suspense com mistérios e algumas reviravoltas ao longo da trama, ele te surpreende e te instiga.

Gostei de como os personagens mudam, do desenrolar da estória, mas a superficialidade deixou a desejar nisso. Queria saber mais de Sarah, do relacionamento com o pai de Elissa e até mesmo de Elissa que nutre uma grande fascinação e fidelidade ao pai, mesmo ele estando afastado quase que por completo da sua vida; como as cenas são rápidas, não conhecemos muito bem ela, nem Ryan, o garoto que vive na casa onde seus pais foram assassinados por sua própria irmã. 

A leitura dele flui muito bem, mesmo estando ocupada quase o dia inteiro, ainda o li em menos de 24h, pelo mistério e suspense presentes nele; é um livro que te prende e como eu não sou acostumada a ler muitos livros nesse gênero, fiquei bem apreensiva e impressionada na leitura. Enfim, aguardo pelo filme ansiosamente para ver na telona tudo que imaginei na leitura. Recomendo a quem gosta de um bom suspense com pitada de terror e uma leitura rápida.

20 setembro 2012

[Filme] Diários de motocicleta

Título: Diários de motocicleta
Original: The Motorcycle Diaries
Lançamento: 2004
Direção: Walter Salles
Atores: Gael García Bernal (Ernesto Guevara de la Serna), Rodrigo De la Serna (Alberto Granado), Mía Maestro (Chichina).
Gênero: Aventura, Biografia, Drama






Um filme para refletir sobre
Che Guevara (Gael García Bernal) era um jovem estudante de Medicina que, em 1952, decide viajar pela América do Sul com seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de la Serna). A viagem é realizada em uma moto, que acaba quebrando após 8 meses. Eles então passam a seguir viagem através de caronas e caminhadas, sempre conhecendo novos lugares. Porém, quando chegam a Machu Pichu, a dupla conhece uma colônia de leprosos e passam a questionar a validade do progresso econômico da região, que privilegia apenas uma pequena parte da população.


Não vou me aprofundar na questão de ser um filme sobre uma figura super conhecida e debatida por aí, que é o Che Guevara, na verdade, quis muito falar desse filme pelo que ele me fez refletir depois de assisti-lo e como ele pode ter mexido comigo, nem que seja um pouco.

Ernesto e Alberto partem para uma viagem na América do Sul em busca de.... Nada basicamente, eles só querem viajar e conhecer os lugares que só conhecem pelos livros. E o que encontram nos lugares onde chegam é uma realidade que não conheciam, que os mudam, principalmente Guevara, e que os faz ter uma nova visão sobre os países dessa América tão rica e tão terrivelmente explorada.


O ponto alto é quando chegam a Machu Picchu (Quero MUITO conhecer) e são voluntários numa colônia de leprosos, lá eles veem de perto a segregação que há entre saudáveis e doentes; mas ao longo do percurso eles também veem outras realidades revoltantes e injustas.

Não conhecia muito sobre Che Guevara antes de assistir a esse filme, não que o filme traga uma biografia cinematográfica dele, ele retrata só uma fase de Ernesto antes dele se tornar o líder revolucionário tão conhecido hoje, é que o filme me fez mais curiosa em relação a ele e logo depois de assisti-lo fui pesquisar mais sobre Che. Não tenho muitas referências para poder falar sobre a figura em si dele, mas o filme no geral, me agradou e muito e no final, me emocionou e muito também.


Sabe quando você termina de assistir um filme e fica pensando sobre sua vida, o que faz dela e o que pode fazer de diferente nela?! Foi assim que fiquei depois de assistir Diários de motocicleta. Não estou falando da figura de Che Guevara aqui, estou falando de fazer a diferença de uma certa forma, e não sendo preciso ter dinheiro ou poder para isso. Fazer algo inesperado e inusitado mas de uma forma inteligente que te faça 'crescer' como ser humano.


Esse filme me levou a alguns lugares da América do Sul fazendo um desejo de conhecê-la aparecer. E além disso, conhecer os vizinhos americanos, conhecer outras realidades e talvez, nem que seja um pouco, mudar a realidade mais próxima.

Enfim, além de tudo isso ainda vemos a atuação de Gael García Bernal (LINDO) e pelo que vi das críticas de cinema, o filme, sem levar em conta a figura de heroísmo embutida em Che Guevara, agradou e muito. Recomendo.

18 setembro 2012

Meme e selo literário

Hey! Cá estou eu com um meme e um selo literários (dã, o título do post já diz tudo), onde o meme foi indicado pelo blog The books thief  e o selo pelo blog Amiga da leitora, pra quem não conhece os dois blogs, por favor, tratem de visitá-los, ambos são muito bons >< E vamos primeiro ao meme:


Regras: 
1. Colocar o banner. 
2. Responder as perguntas. 
3. No final do meme, indicar 
5 blogs para fazer o mesmo. 
4. Linkar quem te indicou.

1. Qual o seu gênero favorito?
Gosto do gênero fantástico, com seres sobrenaturais, tanto que meus primeiros livros que me viciei foram com vampiros, apesar de eu ver mais romance do que o vampirismo em si. Mas o YA também me atrai e muito.

2. Com qual personagem você mais se identifica?
Elena de Diários do Vampiro, por favor, não confundir com a da série de TV. A Elena do livro da saga é totalmente diferente do que vemos da série, ela é fútil, sim, fútil, metida, cega em relação às coisas que realmente são importantes e bom, eu era assim. Mas ela muda e acredito que ao longo dos livros (não lembro muito, faz tempo que os li) ela muda, amadurece mais e bom, isso aconteceu comigo também. Só falta eu encontrar meu Stefan u.u

3. Se você fosse um escritor você seria...
Queria ser Clarice Lispector, ela é genial na escrita, pelo menos pra mim, não sei, me fascina o jeito como ela escreveu coisas pessoais que eu me identifiquei tanto! Mas também queria ser Machado de Assis '-' rs

4. Indicados.
Por favor, quem quiser fazer o meme está liberado o/ rs (preguiça de indicar, de novo, eu sei, é vergonhoso).

E o selo...


REGRAS:
1. Criar um post e responder às perguntas de quem te passou a tag;
2. Criar 11 perguntas diferentes e repassar;
3. Escolher 11 blogs e colocar o link no post;
4. Avisar os blogs selecionados.

1- Como ou quando tomou gosto pela leitura?
Desde sempre me vi amando ler e escrever, desde pequena gostava de folhear os livros, até aqueles em que não entedia nada do que tava escrito ali '-'

2- Qual seu gênero favorito? 
O Fantástico, mas também YA.

3- Qual o primeiro livro que leu na vida? 
Provavelmente algum livro didático, mas o que me lembro foram alguns livros de contos, quando criança ganhei uma coleção deles ♥

4- Quantos livros você tem? 
De acordo com o Skoob, 100 livros. YEY!

5- Que tipo de leitura você passa longe? 
A religiosa, não me vejo interessada por livros espíritas ou até os evangélicos.

6- É viciado em alguma série de livros ou autor? Qual? 
Eu AMO Diários do Vampiro e Crepúsculo, mas vício mesmo procuro não ter com nenhuma série, livro ou autor. Apesar de amar e querer conhecer mais ainda os livros da L. J. Smith ♥

7- Já comprou algum livro só pela capa, e acabou detestando o conteúdo? Qual? 
Não lembro de nenhum.

8- Quantos livros tem na sua lista de espera? 
18 livros que consegui lembrar.

9- Quantos livros tem na sua lista de desejados?
De acordo com o Skoob,  115, mas deve ter mais D:

10- Prefere literatura nacional ou internacional, e porque? 
Mesmo gostando e a favor da valorização da nacional, me vejo mais interessada pela internacional, talvez por que chega mais rápido ao meu conhecimento livros de autores internacionais.

11- O que a leitura mudou ou trouxe de bom para sua vida?
Além de uma facilidade melhor na escrita, fala e dos conhecimentos adquiridos ao longo do tempo, a leitura me faz realmente estar em vários lugares inesperados por mim através das estórias escritas, além de me envolver com os personagens, as estórias, os lugares e me moldar de uma certa forma a cada livro que realmente mexe comigo.

E quem quiser fazer o meme ou repassar o selo, fiquem a vontade <3 p="p">

16 setembro 2012

Resenha - Um lugar para ficar

Nome: Um lugar para ficar
Original: Stay
Autor(a): Deb Caletti
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: 
Sinopse: O relacionamento de Clara com Christian é intenso desde o começo e diferente de tudo o que ela já havia experimentado. No entanto, o que começa como um grande afeto rapidamente se transforma em obsessão, e já é muito tarde quando Clara percebe que as coisas foram longe demais e que Christian está disposto a fazer de tudo para ficar ao seu lado. Então, Clara parte da cidade e Christian fica para trás. Ninguém sabe onde ela está, mas, mesmo assim, Clara ainda luta para se livrar do medo. Ela sabe que Christian não vai permitir que ela suma tão facilmente. Não importa para onde ela vá, nunca será longe o bastante...

Eu nunca sei direito como começar uma resenha de um livro que gostei, que me envolveu durante a leitura e que com certeza marcou as horas que passei lendo e me afetou de uma certa forma. 

O livro é narrado por Clara, como um diário, ela é uma narradora simples que conta os fatos ocorridos e seus sentimentos e pensamentos de uma forma ás vezes engraçada, mas muito real, nada artificial, como se estivéssemos lendo mesmo seu diário.

Clara conhece Christian num jogo de basquete, se encanta rapidamente e o sentimento é recíproco, os dois logo mantém contato e Clara demonstra-se diferente com Christian, ela, uma garota tímida, achando ele diferente dos meninos que conheceu, não o queria perder e agiu diferente com ele, tomou iniciativa, foi ousada na paixão nova. Ela não sabia que iria se arrepender disso.

A narrativa intercala-se com Clara narrando fatos presentes e passados. O passado foi sua estória com Christian e o presente é quando ela vai para  Bishop Rock junto com seu pai, um escritor famoso. Lá é um novo lugar, diferente de onde morava, do lugar que ela não confiava mais, que lhe trazia lembranças ruins, e nesse novo lugar vê novas coisas, conhece novas pessoas e aprende muito com tudo isso.

Um lugar para ficar é o drama de Clara com seu ex-namorado obsessivo que a faz viver situações um pouco assustadoras, que a faz fugir para outro lugar e a faz não só conhecer uma nova vida mas saber mais sobre, por exemplo, sua mãe.

Logo no começo já deduzi que o romance de Christian e Clara não iriam ser daqueles que lemos sempre por aí, e a narrativa de Clara, do ponto de vista dela supostamente atualmente, intercalando a narração dos fatos que aconteceram junto ás reflexões em relação a eles, nos faz saber mais sobre um relacionamento que tinha tudo para dar certo, mas que por causa das atitudes diferentes de uma pessoa o torna assustadoramente ruim e traumatizante.

Primeiras impressões podem ser traiçoeiras. Podem ser corretas e acertar na mosca, ou podem ser perigosas e causar dor e sofrimento.
É um livro mais sério, mas ainda assim me cativei com o pai de Clara, o escritor Bobby Oates, com Finn Bishop e o seu ar descontraído e leve, o oposto de Christian, e me irritei com Clara, ela teve atitudes em relação ao ex que analisando rapidamente, podemos achar erradas, mas lendo suas razões e o que a motivava a fazer ou não, algumas coisas, se tornavam atitudes compreensíveis. Erradas ainda, mas compreensíveis.

Um lugar para ficar é como ler a estória de alguém e a partir dela tirar ou não algumas reflexões, depende de quem lê, de quem pode se identificar ou não. Recomendo a quem gosta de um drama pessoal, realista e que te faz adentrar na estória de uma forma estranhamente boa.

13 setembro 2012

The Runaways


Era mais uma festinha de aniversário de uma amiga. Nada demais; haveria ela, suas amigas e mais uns amigos do irmão de Isabella, a aniversariante. Ela só estava animada em dar o presente, comer brigadeiro e rir com os amigos; todos jovens, todos com quase os mesmos gostos, pensamentos e sonhos inatingíveis.
Mas ele veio: o rapaz estranhamente interessante que ela tinha visto no colégio. Que não tinha só visto mas também se interessado e muito. Ele não era nada parecido com o ideal de garoto que ela tanto suspirava quando pensava em algum. Pelo contrário, ele parecia mais do que normal.
Entre uns olhares e outros esbarroes na casa não tão grande de Isa, ela havia sentado no sofá, apreciando a música de uma das suas bandas favoritas quando o viu sentar-se ao seu lado e o ouviu dizer o quanto gostava daquela banda. Eles conversaram, riram, se descobriram um pouquinho mais e acabaram compartilhando pequenos segredos. No fim da tarde ele já queria sair dali, mas não sem ela.
- Por que simplesmente não fugimos daqui? - disse ele.
- Como assim? Pra onde? - Surpresa, ela já estava pensando nos prós e contras em "fugir" com ele.
- Não sei, pra qualquer lugar que queremos ir. Acabei de conhecer uma garota extraordinariamente interessante e não vou deixar ela sumir de vista tão cedo.
- OK, mas nós estudamos no mesmo colégio, lembra?
- Você sabe mesmo como estragar uma mini-declaração de interesse né?! Vamos. - Ele pegou uma das mãos dela e a quase puxou para fora da casa. Quase, por que ela não estava fazendo tanta objeção ao ir com ele.
Passaram pela cozinha onde agora estavam a maioria do pessoal; se despediram de todo mundo ignorando as insinuações dos amigos e conhecidos, os gritos e imitações de beijos direcionados aos dois. Foram em direção a uma moto estacionada em frente a casa de Isa, ela hesitou:
- Peraí, essa moto é sua?
- É sim, por que?
- Nunca pensei que você teria uma moto, muito menos uma dessas. - Ela apontou para o que parecia um veículo assustadoramente perigoso.
- Tem muitas coisas que você ainda não sabe de mim. - Ele piscou e jogou um dos capacetes para ela.
Juliette estranhamente deu atenção ao 'ainda' dito por ele, quer dizer que ele espera que passemos mais tempo juntos e nos conhecemos ainda mais, é isso mesmo?! Seu nervosismo aumentou, não se considerava tão interessante assim.
Ela não tinha ideia para onde estavam indo, claro que ficou com medo dele a levar para algum lugar perigoso, aliás, ficou com medo dele ser perigoso, mas já tinha se informado antes de como Thiago era e além da expulsão de seu antigo colégio, ele tinha uma reputação muito boa. A expulsão parece que foi por ele ter batido num cara que teria ofendido um amigo seu.
Pelo que Juliette sabia, ele era, além de extremamente charmoso, um cara legal, com certos pensamentos idealistas e bastante sonhador. Exatamente o que ela tinha deixado de ser.
Quando tentou contestar a ideia da "fuga" para qualquer lugar (literalmente), ele rebateu dizendo:
- Temos todo o tempo do mundo, seremos eternamente fugitivos, por que não agora, por que não hoje?! 
Ela não pôde, nem queria, contestar. Julie queria isso, na verdade, ela precisava dessa fuga. Fugir do mundo pessimista e realista que tinha criado depois de tantas decepções.
Com seu sorriso torto ele a ajudou a subir na moto e foram em direção a lugar nenhum.

Hey! Olha eu aqui de novo com um texto narrativo inspirado em uma banda que amo ♥ Dessa vez foi The Killers com o novo single lançado: Runaways (tradução aqui), o título do post e a inspiração para a base do enredo >< Espero que leiam e que gostem, não prometo continuação, vai depender da minha inspiração. E pra quem não conhece a banda ou a música e se interessar em conhecer depois de ler minha estória, ME CONTEM, vou amar saber que de uma certa forma influenciei alguém a ouvir e gostar de uma banda que amo *O* haha'

12 setembro 2012

Promoção - Dose Dupla Harlan Coben


Yey! Trago mais uma promoção linda pra vocês, caros e queridos leitores *_* Viram através das resenhas de Quebra de confiança e Jogada Mortal (além da Quando ela se foi) que gostei muito dos livros, da série em si, do Myron e da narrativa ótima do Harlan, não?! Então hoje posso trazer esse sorteio para concorrer aos dois primeiros livros da série *_* Espero que todo mundo participe!

Regras:
- Ser seguidor do blog pelo GFC.
- Curtir a página do blog no Facebook.

a Rafflecopter giveaway

AVISOS:
- O vencedor terá até 48h para responder o e-mail de contato.
- A editora é responsável pelo envio dos livros.

10 setembro 2012

Resenha - Bem mais perto


Nome: Bem mais perto
Original: So much to closer
Autor(a): Susane Colasanti
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Saraiva
Sinopse: Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá. Viver com o pai ausente e se adaptar a uma escola totalmente nova são desafiantes para ela — e as coisas ficam ainda piores quando ela descobre que Scott já tem uma namorada. Mas como ela aprende a sobreviver na cidade grande, começa a descobrir todo um novo lado de si mesma e percebe que, às vezes, o amor pode te encontrar mesmo quando você não está olhando para ele.

Esse livro chegou num momento em que eu estava precisando de um livro mais leve mas não muito superficial que estava desejando ler. Bem mais perto é leve, tem clichê, mas é encantador e vocês saberão por quê nessa resenha.

Brooke é fascinada por Scott Abrams, ela mal falou com ele nos anos que estudaram juntos, e numa conversa por acaso, uma das poucas, ela descobre que ele irá se mudar para Nova Irque e assim, seguindo 'O Saber', que é basicamente um instinto que ela tem que os dois foram feitos um para o outro, Brooke muda-se para a cidade fascinante de New York dando a desculpa de querer evoluir academicamente à sua mãe e contrariando a falta de contato que teve com seu pai até o momento.

Sim, eu achei muito inusitado Brooke simplesmente mudar de cidade só por causa de um garoto que ela mal falou umas três vezes, que só o conhecia de vista mas que achava que era completamente apaixonada por ele e que isso era recíproco, deixando toda uma vida para trás e ainda morar com seu pai, que abandonou ela e sua mãe há muito tempo. Parece algo infantil ou meio louco, e pode até ser, mas Brooke é bem jovem e considerei isso enquanto lia sua estória.

Todo o encanto que eu achei no livro, além das maluquices de Brooke mas também do seus aprendizados ao longo da sua nova vida em Nova Iorque, foi justamente Nova Iorque; as descrições que Brooke fez durante a narrativa, todo o encantamento dela com a cidade que ela sempre sonhou morar, tudo isso também me encantou e me vi mais fascinada ainda por Nova Iorque e querendo estar nos lugares descritos por Brooke.

O livro tem aquele romance clichê que a mocinha se apaixonada por um cara que ela acha perfeito, mas no final acaba não se satisfazendo com ele (Tem algumas diferenças nesse livro, admito) e tem aquele outro cara que era só um amigo, alguém que a faz se sentir bem e que no final torna-se seu verdadeiro amor. Mas além disso tudo, vemos as lições que Brooke tira de tudo que acontece em sua vida, e não só em relação a Scott, aos velhos amigos, mas também aos seus pais, a assuntos mais sérios e que com certeza podemos nos identificar. 

Durante a leitura, queria saber como tudo se desenrolava, mas não queria largar o livro, não queria que a estória terminasse, queria continuar ali, com Brooke narrando Nova Iorque, fazendo seus origamis e descobrindo novas lições da vida.

Bem mais perto me fez rir, me fez refletir e com certeza me arrancou suspiros algumas vezes, diferente do que  podem pensar, os suspiros não foram pelo romance principal e sim pela cidade de Nova Iorque. Ele tem 236 páginas amareladas, sem erros ortográficos que encontrei. Bem mais perto é um livro fácil de ler e de se encantar.
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger| Personalizado por: Jeniffer Yara | Imagens do Header: Pinterest | Ícones de gadgets/categorias: Freepik | Uso pessoal • voltar ao topo